quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

Alemanha nazi

 O fundador da empresa onde estou presentemente a trabalhar deve ter ligacoes consaguineas com a alemanha nazi.

1) Não gostam que as pessoas vão ao WC durante o expediente

2) Num turno de 10h facultam uma pausa de 30m e depois outra de 10m.

3) Estão sempre a controlar com quem embirram com a postura de um guarda prisional a olhar para um recluso 

4) Pensam que ainda estamos no tempo da escravidão: dizem as pessoas que elas trm de trabalhar o tempo que eles pedirem depois da hora do fim e se nao estuverrm satisfeitas com isso ha muita gente na rua a procura de emprego.

5) nao existem horas certas para as pausas. É quando lhes apetece. No turno  de hoje a primeira foi as 16h a segunda agora , as 20h.

O turno  começou ao meio-dia e termina daqui a 50m. E a pausa vem so agora. 

terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Tenho de me benzer para ter paz?

 Enquanto trabalhava e sentia o cansaço, olhava pela janela para ver se ainda havia'luz do sol. Quando fosse a hora da pausa, queria apanhar um pouco daquele dia antes que desaparecesse.

Quando essa meia-hora chega, encontrar um lugar para sentar é essencial. Com a cantina cheia de pessoas que não cumprem o distanciamento social, tiram as mascaras e se poem a conversar ruidosamente, fui mesmo para a rua. Ai procurei um lugar silencioso e tranquilo para ficar. Acabei por encontra-lo ao atravessar a estrada. 

As 17h o sol ja nao se via, a luz estava lusco-fusga mas acabei por conseguir o meu intento de ficar em paz. 

Quando decido pegar no telemóvel e dar entrada a um post neste blogue, dou comigo a escrever umas linhas quando uma voz fala comigo. 

-Hum? - é o som que emito ao mesmo tempo que olho para a pessoa que me abordou.

- é a porteira?

- não.

- que rude! - diz um homem depois de avançar uns passos e se poe com o telemovel a tirar fotografias a um edificio empresarial fechado.

Sinto-me atordoada. O que aconteceu? Porque estava a ser insultada?  Encontrei um canto para ficar sossegadinha, aparece-me uma pessoa a fazer-me uma pergunta sou cordial a responder e ela insulta-me? 

Fiquei atonita. Parva com aquele disparate. Acabei por trocar umas palavras de altercacao com o individuo. Abordei um colega para que fosse testemunha do assedio verbal do qual me senti vitima. Ameacei chamar a policia. O que teria feito, não fosse precisar de ir trabalhar em 10 minutos.

Fiquei a tremer de espanto e ainda atonita. Como de um simples  "nao" sem qualquer malicia ou entoação que fosse aquele individuo partiu para a violencia verbal??

Em qualquer situacao normal a pessoa que faz uma pergunta a um desconhecido e recebe uma cordial resposta returque "obrigado". Mas nao aqui.

A atitude de soberba e arrogancia. Ar de superioridade. Gozo. Ate me disse nao procurar trabalho porque era dono de uma empresa. Como se isso o tornasse superior ou mais importante e de maior valor que a pessoa que ele confundiu por porteira por estar sentada do lado de fora de um portao de uma empresa claramente abandonada. 

Ele chamou-me de rude, depois estupida e mandou-me foder. 

Acho que tenho de me benzer. Ou arranjar alguma especie de proteccao ou algo para afastar mas energias. 

Porque ja e a segunda vez que me isolo durante uma pausa no trabalho, escolho um cantinho quieto para ficar sossegada e do nada me aparece alguem que se poe a maltratar-me.

É que me estragou logo o dia.

Disse-lhe que o estava a filmar e ele apontou o telemovel dele a mim para tirar uma foto. Fiquei nervosa. Falei com um tom indignado enquanto ele mantinha um tom arrogante mas inalterado. A pior especie de pessoa que existe. Escumalha que se acha com direito a enxovalhar. Perguntei-lhe o nome. Respondeu. Sei quem é e onde o encontrar, somente por me ter dito que tinha uma empresa. O google mostrou o resto. A cara do monstro é esta:

 


Desejo que a sua empresa va a falencia e so lhe sobrem muitas dividas para entao ter de ir procurar um emprego e descobrir como é andar nos meus sapatos. Digo já: não  teria jamais capacidade para os suportar. 

21h de trabalho fiz eu ontem. Sem maltratar quem fosse. O "patraozinho" aqui deve la saber o que e isso. Há tanta gente com melhor educacao e mais bem formada que tambem esta a atravessar maus momentos e nem por isso anda ai a ofender mulheres gratuitamente. 

Se existir lei de retorno, por esta atitude que teve hoje vai encher-se de dividas, perder a empresa e junto com ela a soberba e depois que va trabalhar no duro junto de pessoas simples como eu, com chefes sempre na perna a dizerem para fazeres melhor, nao gostando que vas ao WC, exigindo que estejas disponivel para trabalhar  sem parar 12h por dia em troca de um salario mínimo.

 D. K. o teu destino está selado. 

Por vezes penso que vim parar numa terra cheia de pessoas mal formadas. Se não tomar cuidado  transformo-me num deles.

Mas que DIREITO têm de interromper o meu merecido e tranquilo descanso para o conspurcar com fel?

Maldito.


sábado, 28 de novembro de 2020

Quebrar o passo

 Gostava de atrair boa sorte e dinheiro como atraio transito quando vou para atravessar uma estrada ate entao nao movimentada.




sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Sem noção

 "Estás sempre em casa!"- diz-me a M  depois de disparar um "vais trabalhar hoje?" assim que saio do quarto, onde permaneci tres horas .

A M. sofre do mesmo síndroma do qual padecia o rapaz da primeira habitação. Quem esta lembrado? É o sindrome do "quero a casa so para mim". 

Ele, 50 anos, so trabalhava aos fins de semana e ficava por casa todos os outros dias. Ainda assim sabia-lhe a pouco.  Cada vez que via um de nos tres de folga, logo nos aconselhava a ir passear, aproveitar o dia. Dizia: "Acho que nao devias ficar em casa. Digo isto para o teu bem. Fazia-te bem ir dar uma volta. Podes apanhar o comboio até outra cidade..."

Uma pessoa com turnos rotativos com horarios doidos, que todo o final de turno entra'em casa arrebentada, muitas'vezes direta para a cama sem duche por nem conseguir dar um passo mais e quando finalmente consegue um dia para descansar, tem um colega na casa a dizer-lhe repetidamente isto.

Percebe-se logo o que realmente pretendem.

A M. queixou-se que vai regressar ao trabalho ja para a semana.  "É muito dificil acordar as sete da manha e chegar a casa la para as sete da tarde"- diz-me. Concordei. Mesmo sabendo que nao o vai fazer todos os dias. "Pensei que ainda tinha uma semana mas o lockdown termina na proxima... queria continuar por casa, entendes o que quero dizer?"

Respondi que nao sabia, porque nunca estive em forlorn. (ficar por casa a receber salario mas sem trabalhar).

O que sei eu realmente sobre o que isso é? Como a pessoa se sente por ter de abandonar esse conforto de meses ou semanas e regressar a rotina?

Nao sei absolutamente nada.

Durante a reclusao obrigatoria devido a pandemia estive sempre a trabalhar fora de casa. Foi ate o meu periodo mais requisitado. 

Ha coisa de tres meses arranjei dois empregos. Porque um ja estava a ser menos regular. Nem por isso me deu mais tempo livre, porque quando se conta em ir trabalhar e no ultimo minuto recebe-se a mensagem de cancelamento, todo o teu dia girou a volta daquele compromisso. As coisas que deixaste de fazer e o que podias ter feito e nao fizeste por priorizares o descanso antes da labuta.  Muito esforço, pouco salario. 

A decisao de conseguir um segundo emprego pareceu logica. E consegui, mesmo nestes tempos dificeis. Foi o emprego que deixei na terça-feira. Teve ser. Estava a ser muito menos regular do que o prometido, com a inconveniência dos dois turnos dados por semana estarem sempre a coincidir com os atribuidos no outro trabalho. Andava a perder saude e dinheiro.

Na quinta-feira consegui outro emprego. Esta e a novidade que ainda nao havia contado. É prematuro e nao quis azedar a coisa por a mencionar cedo demais. É num armazém (é o unico tipo de emprego que tem sobrevivido ao Covid). Aquele que deixei era o de uma empresa  Americana, noneadamente a conhecida Amazon. Foi a minha segunda experiencia com empresas americanas em solo ingles e em termos de organização e simpatia estao no meu top do raking. Esta nova é alemã. Primeira impressao: desorganizada. A ver vamos.

Ja tive de cancelar o primeiro turno - para amanhã de tarde, por o final coincidir com o inicio de um turno que me ofereceram a ultima da hora na empresa a qual sempre vou dar prioridade: a primeira. 

Ja trabalho com eles faz dois anos, conheco os cantos a casa e... ganho bem - se tiver horas para fazer.

Nenhum outro lugar em parte alguma vai pagar proximo do que ganho ali. Em uma semana na Amazon, com dois turnos de extenuante trabalho, apos pagos os impostos, fazia menos do que com um unico dia de trabalho na empresa original. Fui percebendo que estava a prejudicar a minha saude e a comprometer o meu desempenho na empresa que nao quero abandonar. 

Tive de sair.

Em termos de pessoas que ali encontrei e ate de sistema de trabalho, foi uma perda. Mas tambem exigem muito de ti, fisicamente. Nem todos conseguem manter um ritmo acelerado continuo por varias horas, para atingir o target numerico. Principalmente quando a empresa exige que se cumpram as regras do covid, e impoe uma distancia de 2m a todos os trabalhadores. Tinham instalado  cameras biométricas que toda a hora enviavam um relatorio. A minha temperatura corporal era medida todos os dias a entrada e mascaras e desinfectantes estavam disponiveis por todo o lado.

Na empresa original muitos nao usam mascara, ninguem cumpre distanciamento chegando a roçar uns nos outros, existiram casos positivos de Covid e nao isolaram os trabalhadores em contacto com o infectado/a. Alem disso tudo e mantido muito porco, sujo e desorganizado. 

Existem aspectos positivos mais e menos bons em tudo.

O que me fez especie foi mesmo o comentario da M. 

No ultimo mes ando a sair de casa as 3 da manhã, para, por vezes, so regressar por umas horas e voltar a sair para mais um turno inteiro de trabalho noutro lugar. Passei 24 ou 48h sem vir a casa realmente para ficar. O meu cérebro ficou a sentir que dois ou tres dias foram apenas um.  No passado domingo sai as 4 da manha do emprego1, onde entrei as 22h de sabado, para apanhar o autocarro as 4.10, descer na estacao, apanhar um transfer e chegar as 4.30 ao emprego2. Para recomeçar a trabalhar no duro, a suar e sem tempo de ir ao wc mesmo tendo vontade. Porque não deu para parar. E ali fico a trabalhar ate as 13h. 

Apanho novamente o transfer, depois outro autocarro e finalmente chego a casa as 14h, nao tendo dormido a noite, tendo saido as 21h do dia anterior e sabendo que era para sair novamente as 18h so para regressar as  23h e voltar a sair as 3am para a Amazon e regressar as 14h do dia seguinte, já uma segunda-feira. 

Em casa o "dia inteiro" (tirando as horas que andei na cidade para ir assinar o contrato e passar pelo supermercado) só fiquei realmente ontem. Contrariada, porque a ultima da hora quando menos esperava,  cancelaram-me o turno pelo qual ansiei a semana inteira, por contar que pudesse vir a durar 12h.

E vem a M. que não sai para o emprego dizer-me que me vê sempre em casa e quer saber se pelo menos hoje vou trabalhar.















 


quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Humor inteligente e actual

 

*Piadas Atuais*😂🤭😂


🦜- Troco massa, arroz e açúcar por papagaio.  Preciso de falar com alguém.


🏃🏻‍♂- Se virem que saí do Grupo, adicionem-me outra vez. É o desespero para sair para algum lado.


🦸🏻‍♂- Nem nos meus sonhos mais loucos imaginei entrar mascarado no Banco.


✋🏻🤚🏻- Nunca pensei que as minhas mãos iam consumir mais álcool do que o meu fígado.  Nunca...


💀- A Quarentena parece uma série da NETFLIX: Quando parece que vai acabar, vem mais uma temporada.


😷- A máscara até tem coisas boas... No supermercado passei por 2 tipos a quem devo dinheiro e nem me reconheceram.


📆- Queixaram-se que 2020 tinha  poucos feriados.  Como estão agora?


😜- Preciso de manter distância social com o frigorífico. Testei positivo para gordura abdominal.


👨‍👩‍👧‍👦 Alguém sabe se a segunda quarentena se repete com a mesma família? Ou podemos trocar?


🖥 Faltam duas semanas para que nos digam que faltam duas semanas para nos dizerem que faltam duas semanas...


⏳ Não vou acrescentar 2020 à minha idade. Nem sequer usei!


😟 Queremos nos desculpar  publicamente com 2019 por tudo o que falamos mal dele.


🙎🏻‍♀ Essas mulheres que pediam a Deus que os maridos ficassem  mais  tempo em casa... Estão satisfeitas agora? 


🚰 A minha máquina de lavar roupa só aceita pijamas... Coloquei umas calças de ganga e ela mandou-me a  mensagem #ficaemcasa 😷🏠.


🎉 O primeiro que eu vir 👁 em 31 de Dezembro a chorar pelo ano que se vai, vou enchê-lo de porrada.


💉 Depois de passar por toda esta angústia, só nos falta dizerem que a vacina será um supositório.


👨‍🦱👩🏼‍🦱 Sinto-me como se tivesse 15 anos novamente: Sem dinheiro na carteira, com o cabelo comprido, pensando no que fazer com a minha vida e sem permissão para sair. 


quarta-feira, 25 de novembro de 2020

 Estava na pasta dos emails "por enviar".

Sera que cheguei a faze-lo?

Dizia: 

Vou para Portugal. Podemos nos encontrar mais uma vez? Bloqueaste-me do whatsapp. Quando percebi isso achei que ias fazer o mesmo ao meu email e presumi que nao ias responder caso te enviasse um sms ou fizesse um telefonema. Presumi certo, nao foi? Mas quem é que age assim com alguem de quem gosta? Por algum motivo cortaste-me abruptamente da tua vida e esse teu gesto tem vindo a causar-me muito sofrimento. Preciso de saber o que se passa nessa tua cabeça. Gosto de ti. Preocupo-me. Vamos nos encontrar para falar, o que for... Nao ha nada a temer nisso, certo? Tenho sentido a tua falta.

Esta mensagem estava na pasta de rascunhos da minha conta de email. Data de Setembro de 2019. Sera que cheguei a enviar?

Acho que sim, enviei. Mas devo ter usado outra conta de email. Tenho muitas e na ocasiao senti que tinha de abrir outras so para ter a certeza de chegarem a este destino. 


Que pena que nunca respondeu. Teria lhe estendido o convite para viajar comigo. Casa de graça, duas semanas frente ao mar, com um pais inteiro por explorar.

Tudo se perdoa. Mas o querer falar com alguem e essa pessoa nao permitir, nao dispor de um segundo do seu tempo para to dar, é cruel e desumano. 

Se ages assim com quem tratou bem de ti e gosta de quem és, o que reservas aos teus inimigos?


terça-feira, 24 de novembro de 2020

 O nome dele é Roberto.

Neste meu ultimo dia de trabalho perguntou-me se tinha facebook ou whatsapp. Despedi-me dele dizendo que foi um prazer e quem sabe um dia nos voltavamos a cruzar num armazem por ai.

Caminhava pela cidade quando me'"bateu". Porque nao lhe dei o meu numero de telefone? Nao tinha mal algum. Podia vir a ser um amigo. Foi verdadeiro o seu espanto e descontentamento quando soube que eu ia embora. Tal como foi  com as outras colegas brasileiras que la encontrei e a quem havia contado ontem dessa decisao. Uma ate fez questao de me dar boleia. Ele perguntou-me se eu tinha trocado contacto com elas. 

É porque provavelmente nao gostaria de perder o contacto comigo.

Afinal, quantas mais ocasioes posso eu ter na minha vida daqui adiante em que alguem, homem ou mulher, principalmente mais jovem, mostre interesse em manter contacto comigo?

Naquele local conheci pessoas pertencentes a um leque bem mais vasto da vida, pessoas oriundas de todos os cantos do mundo, simpaticas, cultas, inteligentes e bem educadas.  É o que vou sentir falta. 

Foi pouco tempo mas valeu pela atmosfera, os rostos e as conversas.

Ele veio ao pensamento...





segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Actualizacao laboral

 

Amanha, mais exatamente daqui a 6h, começa o ultimo turno de trabalho que vou fazer no meu segundo emprego. Decidi terminar o contrato. Com muita pena minha. Na actual conjectura nem sei se faço bem, mas decidi assim e agora e continuar para a frente.

Combinar os dois trabalhos precarios na esperanca de ganhar o de um, nao resultou. Em termos financeiros sai prejudicada porque tive de priscindir daquele que da mais dinheiro por sempre apanhar parte do turno do novo. E o novo so me estava a dar dois dias por semana.

Em termos de saude o novo emprego exige demasiado esforço no ombro e faz-me gastar todas as energias nas primeiras horas da funcao. 

Dormir é aquela coisa que raramente acontece durante os dias de trabalho e a unica coisa a acontecer de modo intermitente e continuo nos dias de folga. 

Hoje despertei as tres da manha para comecar as cinco. Dolze horas depois iniciei outro turno menor no primeiro emprego. E finalmente cheguei a casa, para descansar. A sensacao de tirar os sapatos é indescritivel. Mas dura pouco porque novamente as tres da manhã...

Pela ultima vez.

O mais triste disto tudo é que nao ganho nada melhor ou nada especialmente satisfatorio. É so  mesmo para sobrevivencia.

PS: Temo que o meu ombro nunca va ficar como de antes. Temo que sare mal posicionado, inpedindo-me para sempre de poder chegar com as maos as Costas. E que falta me faz fazer esses gesto todos os dias!