domingo, 16 de junho de 2024

Ainda nao está de parte para usar na próxima estação

 

Não sei como está o tempo aí, em Portugal. Mas posso dizer como está neste instante em inglaterra. É um tempo bipolar.

Gostoso logo pelas 8h da manhã. Intensamente chuvoso ao ppnto de fazer ruido nas janelas e telhados pelas 10. Quente e sem muito vento ao meio-dia. Tão bom que deu vontade de seguir para uma praia. Novamente chuvosamente ruidoso pelas 13h. Volta a brilhar o sol lá pelas 14h... alternado com nivens escuras. Agota sao ci co da tarse e está sol, mas muito vento. 

Sabem o que trago vestido?

Um sweter desportivo tipo camurça e, para minha desolação, o kispo de inverno. 

Alguma vez me imaginei a usar um kispo tâo quente a meio de Junho???

Não. Não, não!!!

Entristece-me vestir o kispo e saber que preciso dele. Não em Junho. 😞


sábado, 15 de junho de 2024

Porquê nos ensinam a adiar fazer o que nos dá vontade?

 Já cheguei a uma idade em que penso que me falta tempo. 
Ou então, percebo que muito dele foi desperdiçado. 

Dou por mim a pensar que gostaria de plantar arbustos e árvores para as ver crescer, colher seus frutos, respirar o aroma de suas flores e... penso que já não tenho o tempo que gostaria para isso tudo. Em simultâneo, esta é mais uma vontade adiada - das muitas - se não todas - que fui adiando na vida, porque assim me foi ensinado que era para fazer. 

Nunca concordei. No entanto, foi-me imposto assim - era o "normal" - e assim sendo, seguem-se as ordens "superiores" dos progenitores: «primeiro estudas "para seres alguém" e depois "o resto"... » - esse resto incluiu tudo e mais alguma coisa: vontades, sonhos, pensamentos, gostos, passatempos... tudo o que compõe a vida e a felicidade. 

Mas essa parte - a raiz - ficou para tras. Contudo, os ensinamentos e a prática permaneceram. 100% dedicada ao trabalho, incapaz de me "desviar" da boa conduta, com dificuldades em planear ausências que possam prejudicar a entidade patronal. E para quê? Se quando ficar doente ninguém me vem acudir? E se preciso for, amanhã levo um chute no traseiro e fico sem "nada"?

Bom, reflexões fadistas à parte, a vida continua... segue. Como sempre seguiu. Sem grande tempero. Para o bem ou para o mal. Ao menos isso. 

O que quero dizer é perguntar, a vocês, PORQUÊ ADIAMOS FAZER O QUE NOS DÁ VONTADE?

Porquê adiar para o final da nossa vida (a reforma) o começar a viver de acordo com preferências pessoais? 

Para plantar esses arbustos e árvores, preciso de um terreno meu. Coisa que não tenho. Então é óbvio que terei mesmo de adiar este sonho. Porém, existem outras formas. Podia trabalhar na área e dedicar-me à plantação. Teria, mais uma vez, de voltar aos estudos. Ou então podia ajudar alguém que tem terreno mas não tem capacidade ou precisa de ajuda... 

Nem sempre procuramos outras formas de realizar os nossos desejos. 
Outra coisa interessante sobre vontades é que, algumas vezes, basta as fazer uma vez para retirar delas toda a satisfação que se anunciava e ficarmos felizes. 

Hoje apetece-me plantar para ver crescer.
Amanhã, feito isso, pode ser que me passe e não me apeteça tanto.  

Adiar, é perpetuar o desconhecido. 

(Enquanto isso, ando a plantar girassóis na esperança que floresçam em vaso) 


sexta-feira, 14 de junho de 2024

Saboreando memórias com o sabor lacrimoso da saudade feliz

 Há medida que vou comendo o iogurte Activia de côco, lembro-me da minha falecida avó. E encheu-me a vontade de lhe comprar um iogirte de ananás para os saborear-mos as duas. Mas qual era mesmo o seu sabor favorito de iogurte?

Não. Não era ananás. Era exatamente os iogurtes de côco.

Daí, decerto, ela me vir aos sentidos.

Iogurte de côco e o gelado perna-de-pau. Entre outras coisas, adoraria agora tê-la aqui comigo para partilharmos estes simples prazeres da vida. 

Num belo dia de verão, ao sol... 



segunda-feira, 10 de junho de 2024

 

Não devia ver vídeos sugeridos pelo youtube. Acordei e vi o vídeo que estava parado, parou após ter adormecido. A história horrível de umas mulheres lésbicas que adotaram filhos e tinham filhos e os torturavam, maltratavam, batiam, aprisionavam. Tinham-nos presos em correntes com alarmes, não lhes davam comida, batiam-lhes com uma pá de madeira... forçaram um miúdo maldisposto que vomitou na cama a apanhar o vómito não sem antes esfregarem a cara dele no dito... e continuou acorrentado, sem água, sem poder ir ao WC. 

Tamanha crueldade!
Depois vejo o vídeo seguinte: "Babysitter leva bebé morto ao MacDonalds". 
Mais uma história de morte e maus tratos a crianças indefesas... um bebé que ela sabe morto - porque o matou -( tinha quebrado ossos do seu corpo porque o atirou ao chão ). Sem qualquer remorso, culpa... quando o namorado chega a casa ela, mais ele, o filho mais velho dos dois e o bebé MORTO - vão ao restaurante jantar. Depois ela devolve a criança morta à mãe, que o encontra frio e de lábios roxos e telefone para o socorro. 

Tenho de parar de ver estes vídeos. Ainda não são nem 9 da manhã e já levei com uma dose do mais triste que existe no ser humano.  

terça-feira, 14 de maio de 2024

quinta-feira, 9 de maio de 2024

 Num daqueles espaços jardinados de beira de estrada vejo, sentados nos descansos em.madeira, uma mulher com duas crianças. Passo por eles a pensar: que bom que uma família se senta ao ar livre para passar tempo junto.

Reparo num par de botas largadas ao lado dos pés do rapaz que estava com sapatos e rapidamente busco a dona daqueles butins revestidos com pêlo no interior: era da menina, qur estava deitada  na espreguiçadeira em madeira.

Só depois caio em mim e percebo que os três estavam mergulhados num profundo silêncio, abstraídos do que os rodeia, cada qual vergado sobre o seu estômago com ambas as mãos a teclar no telemóvel.

Estão 21 graus e este é o segundo dia em todo o ano de 2024 que se sente calor. Pela primeira vez a minha sombra projecta-se no asfalto.

Caminho vagarosamente para o emprego, incomodada com o triplo de movimento automóvel que se faz sentir pelo outrora percurso quase sem tráfego. 

É praticamente uma consequência direta da presença do "bom tempo". Ontem e hoje fomos, finalmente, abençoados com a ausência da chuva, nublina e tempestades.





Caminho vagarosamente para o emprego,