sábado, 22 de abril de 2017

Nova inquilina

Vou ter uma nova inquilina na casa. Ela vai ocupar o quarto vago pelo outro. Só a conheci hoje, pelas 10h da manhã, muito rapidamente. Altona e atraente, como quase todas as mulheres da europa de Leste são. 

Mas isso são detalhes que não me importam. O que quero é que ela seja sossegada e não faça barulho. Porque adoro o silêncio que existe nesta casa e temo - é o meu único receio - que ela seja daquelas que se fecha no quarto a falar ao telefone durante horas ou a ouvir música ou televisão com o som muito alto. Espero que não seja barulhenta por si mesma.

Mas como em tudo na vida, nunca se sabe. Pode ser que seja sossegada... Embora tenha entrado pela porta de casa já a falar alto e a dar risadas. Sabendo ela que eu tinha dito que estaria em casa a tentar dormir porque chegava do trabalho às 2h da madrugada.

Isto é um mau presságio?

É engraçado: quando as pessoas querem um quarto são todas simpáticas, aceitam tudo, nada as incomoda... O quarto é o que aqui eles chamam de um boxing room. É pequeno, cabe uma cama e pouco mais. Tanto assim é que o armário para a roupa fica no lado de fora. Mesmo em frente à porta do meu quarto. Portanto, ela para se vestir, terá de tirar a roupa do armário e abrir e fechar duas portas: a do quarto e a do armário - ambas perto da minha porta.

O que reparei é que chegou com tanta tralha que é impossível que caiba tudo naquele quartinho! E acho que as pessoas têm uma grande cara-de-pau quando dizem que não se importam que o tamanho do quarto seja reduzido, porque só cá vêm dormir e tal... ACHO QUE É CONVERSA.

Preferia ter como colega de casa uma pessoa pouco atraente fisicamente. Porquê? Porque existe uma tendência a não usarem a beleza para conquistar o que querem. E também existe uma maior possibilidade das pessoas que cá estão não se deixem encantar tão facilmente. O colega do sexo masculino já mudou de postura. Limpou a casa toda antes da chegada dela, arrumou tralha que deixava espalhada pelas áreas comuns da casa, sem se importar com os restantes que a usam. Disse-me que parecia muito simpática. O que para mim não quer dizer muito. Ás vezes a simpatia é só uma ferramenta para alcançar objectivos. Conheci tantas assim. 

Esta foi muito esperta, avançou logo com o sinal. Disse que o tamanho do quarto não lhe importava. Mas trouxe mais tralha do que aquela que lá cabe. Só de se mexer lá dentro já deve fazer um banzé, porque não tem espaço.

Eu descobri noutro dia - aqui há 2 dias - que gostava daquele quarto. E não gosto do meu - concluí.
Partilhei isso com os dois colegas cá de casa, porque é mesmo verdade. O quarto pequenino pareceu-me tão aconchegante e muito mais iluminado que o meu. O meu é frio e mesmo agora no tempo mais quente, continua gelado de noite. A luz só é mais forte de manhã, quando quero dormir. Se acordo cedo todos os dias, é porque o luz atravessa os estores e as cortinas, iluminando tudo. Sei que se colocasse uns cortinados pesados do lado de dentro, a luz bloqueava. Mas isso requer fazer uma mudança no quarto e para isso preciso da autorização da senhoria, que por vezes é de humores e pouco tolerante a novas ideias.

Ela escreveu-nos a dizer que o vizinho ia mandar vir um contentor para o lixo e como temos lixo aqui armazenado no quintal que está abandonado, ela ia pedir para o meter lá. Só que ontem voltou a escrever, dizendo que não conseguiu abrir a porta da cozinha quando cá veio (é só rodar a chave e ela abre por ela mesma) e por isso não lhe foi possível verificar a quantidade de detritos, pelo que já avisou o vizinho para não contar com nada dela.

NA REALIDADE, o que deve ter acontecido é que ela não ficou contente com o preço que teria de pagar pela METADE do uso do contentor - fosse dos pequenos ou grandes - e inventou esta desculpa para não gastar dinheiro.

Infelizmente, ela é desse género.
Se o gastar - gasta porque será outra pessoa a pagar.
É bem capaz de «depositar» os custos da remoção dos detritos nas nossas rendas. Só para economizar um centavo.

BOM,
mas com a senhoria não tenho de me preocupar por agora. Uma coisa de cada vez...
Já estou a adivinhar que o rapaz cá de casa vai desfazer-se em simpatias para a nova inquilina. Para já começou com um gesto que eu não gostei. Insistiu para que pagassemos a eletricidade para os próximos dois meses SEM a incluir nos gastos.

Aqui o que se paga não é a eletricidade que foi consumida. Como em Portugal. O que optamos por fazer é uma espécie de carregamento como nos telemóveis: depositas saldo e vai-se gastando. Depois quando termina, depositas mais. 

A eletricidade e o gás são pagos assim. Por carregamentos.
E eu achei mal que a rapariga vem para cá morar hoje e todos os banhos que tomar, todos os cozinhados que fizer, toda a eletricidade que gastar é à conta do depósito feito por mim e pelos outros. Se ela der a sua parte já de seguida só acho é bem. Mas temo que o parvo do homem insista para que não pague, forçando-me a ter de me ver na situação e estar a pagar para outra usar.

No que respeita a isso ele é um prego torcido. Quando vim para cá morar o tipo insistiu que eu tinha que dar a minha parte, MAIS metade, por ter cá ficado 5 dias sem usufruto da cozinha ou dos utensílios da casa, excepto a corrente de luz para o computador. 

Eu achei um absurdo. Podia dar algum mas metade... se não consumi nada?
Ele insistiu, insistiu... só o outro que se foi é que não concordou e então o gajo recuou. Paguei o mesmo que os outros, e não MAIS. Mas ele queria que eu pagasse e ficou chateado - mas disse que não ligava a dinheiro. Primeiro, disse-me que a decisão era de TODOS NA CASA. Mas era só dele, porque os outros nem sequer sabiam da situação. Eu ainda não tinha emprego e estava a ter despesas brutais, pagas em euros. Tive de pagar 3 meses de renda em adiantado e deixar um depósito de 600 libras - que a senhoria ainda guarda para ela. E ele estava a querer «chular-me» mais, como que se me quisesse punir. 

Agora, se ele se revoltou por 5 dias de uso de corrente eletrica paga por eles, como é que eu me vou sentir por DOIS MESES de uso de TUDO sem restrições, a serem pagos por mim??

Mas eu entendi logo que ele tinha regressado àquela sua forma de ser e encontrou nisto uma forma de me punir - como foi sempre o seu intento.

Eu e a outra rapariga já tivemos muitos problemas com ele. E como ele tinha problemas com o outro tipo, e depois com ela, que lhe respondeu não gostar dele, o que ele fez foi "aligeirar" a sua atitude comigo e tentar ser simpático. O que conseguiu. Porque é muito chato viver numa casa com mais 3 pessoas e nenhuma gostar de falar contigo! E era o que lhe ia acontecer. Ao menos uma pessoa ele tinha de conquistar... E como eu não queria estar de mal com ninguém, falei-lhe sempre bem, mas sem querer muita intimidade.

Mas ele é de humores e de mudanças súbitas. Amanhã pode voltar a torturar-me, como começou de início. Ele é do tipo de mói a cabeça da pessoa cada vez que se cruza com ela. Põe defeitos em tudo, acusa-te de fazer tudo mal, de seres responsável por tudo o que não está bem... Mas acha-se uma pessoa muito compreensiva e tolerante, com capacidades fenomenais para interagir com as outras. E por isso decidiu tirar um diploma em psicologia - o que me disse ter concluído recentemente.

Coitados daqueles que se cruzarem com a sua psicologia...

(mais novidades para depois, que agora tenho de me apressar. Working time!)




10 comentários:

  1. Estou a ver duas possibilidades positivas:
    - Ela simpatiza com o colega, muda-se para o quarto dele e já não precisa de usar o armário, mantendo-se o silêncio;
    - Ela não simpatiza com ele e alia-se a ti, ficando ele em minoria para decisões desagradáveis!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahah. Os vossos comentários deixaram-me bem disposta :) Estava a precisar desta interacção eheh.

      Olha, eu aposto mais na segunda. Por enquanto ainda só se passou uma noite e cada qual está a viver a sua vida sem a cruzar com a vida dos demais. Mas conhecendo a peça... Se começar a fazer das suas ela não vai simpatizar com ele.

      Bom Domingo!

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Espero vir a ter. Hoje foi a primeira noite dela e não fez muito barulho. Só tossiu, coitada! E eu bem sei como isso é corriqueiro nesta casa, hehehe.

      Eliminar
  3. Oxalá seja melhor do que o tal tipo arrogante e malcriado.
    Um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh Elvira, certamente será. Certamente.
      Abração!

      Eliminar
  4. Olá Portuguesinha!
    Não tenho comentado mas venho sempre ler as novidades.
    Com uma nova colega na casa as coisas tendem a animar mas deve ser só nos primeiros dias porque depois volta tudo ao mesmo.
    Claro que se ela usa a eletricidade vai ter de pagar como os outros. Deviam reclamar com essa "alma caridosa" que quer fazer um desconto durante dois meses e então se todos estiverem de acordo, a coisa faz-se. Se bem que acho um disparate enorme ela não pagar e os outros terem de pagar por ela. Se ele quer fazer caridade então que saia do bolso dele. Mas pronto... quer agradar à boazona e os outros que se lixem. Típico dos gajos! Revolta-te! Protesta!
    Kiss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é Ana... Caridade com o bolso alheio é algo que muito lhe apraz! Como ele é o maior consumidor de eletricidade e gás nesta casa - porque só trabalha 3 dias por semana os restantes fica por aqui a cozinhar, lavar, ver televisão, etc, etc sei lá o que ele faz - como ele tira pleno usufruto de tudo, sempre foi um pouco «chulo» sim. Porque foi capaz de me acusar de usar duas vezes a chaleira quando ainda não estava a pagar a conta e tentar fazer disso um motivo para contribuir com umas extras 20 libras!!

      Estou aqui a torcer para que ele desta vez cumpra o que está sempre a dizer que vai fazer: mudar de cidade. Ainda este verão - diz ele. Até lá já se incubiu de meter a eletricidade paga... Espertalhão. Para depois consumir quase tudo, avisar que vai sair e não ter de desembolsar. Mas não é por aí... Ele é o «faz tudo» cá de casa aos olhos da senhoria - mas esta casa está a cair aos pedaços e ele não cuida dela. O que faz é a pedido da senhoria e muito a contra-gosto. Detesta qualquer tipo de trabalho. O jardim está um mato, tem uma cadeira e uma mesa em plástico com tanta porcaria em cima que de brancas passaram a pretas. A cerca está quase caída no chão. É só alguém a empurrar sem fazer muita força e tudo cai. As portas estão uma desgraça, tudo tem ferrugem, tudo está velho, há detritos por todos os cantos... Noutro dia fiz uma limpeza à despensa e encontrei produtos datados de 2013!! Tudo assim, enfiado pelos cantos, atirado...

      Bom, mas o que queria mesmo dizer é que acho que um dia esta ainda vai ser uma casa só de mulheres ehehe. E mulheres porreiras :)

      A ver vamos. Se ele partir - e eu espero que vá, a bem e por vontade própria - a primeira coisa que quero fazer é mudar-me para o quarto dele porque é o melhor em termos de sol e frio. Mas terei de o desinfetar todo porque imagino que é uma pocilga.

      Kiss

      Eliminar
  5. Pensamento positivo.
    Vai ver que a nova inquilina é uma gaja bestial.
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Pedro.
      Torcemos sempre pelo melhor, mas tememos o pior eheh. É natural recear uma nova presença. Aposto que fizeram o mesmo quando me mudei :))

      Até agora - segunda noite - e só agora a ouvi abrir o armário do corredor para ir tomar banho. Por isso, nada a apontar.

      O sossego que tanto aprecio tem-se preservado.
      Boa semana para si também :))

      Eliminar

Partilhe as suas experiências e sinta-se aliviado!