segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Uma inconfidência familiar com Kms de distância

Como já expliquei uma vez, no facebook tenho «amigos» americanos que nunca conheci mas que se fizeram amigos para interagir num jogo. Vai que, por vezes, publicam coisas no face que dá para eu ver. Assim como imagino que as minhas publicações também são visíveis a eles. Vai que deparei-me, ontem de noite, com uma coisa que me pareceu inocente. Apenas uma daquelas coisas de família... 

Um filho pediu emprestado um cortador de relva e devolveu-o sujo e com o depósito cheio. Acontece. Até entre vizinhos, conhecidos... Não há motivo para armar uma discussão séria por causa de algo assim. Aquela publicação estava sempre a aparecer no topo do feed e após umas tantas vezes a levar com aquilo «na cara» fui ler os comentários. Eis a troca de palavras: 



Post no facebook da Senhora Maria:
A semana passada o filho pediu emprestado o cortador de relva. Fui para cortar o relvado esta manhã e foi assim que mo devolveu (foto daquilo cheio de relva e por limpar). Também lhe dei 5L de gasolina que derramou para fora pois ele estava com pressa para fazer a coisa a bem. Usou as minhas ferramentas e o camião. Que simpática fui! Para aqueles que não sabem onde é o saco colector de relva...   

Comentador amigo: Terrível. Mas ao menos trouxe-o de volta.

Filho (usando o facebook da namorada): Para aqueles que precisam de saber a verdade, aqui fala o filho da Senhora Maria. Sim, pedi emprestado do meu pai João o cortador de relva e algumas ferramentas de jardinagem para cuidar do quintal da minha avó. Estava à chuva e com o meu horário laboral apertado. Esta avó é a mãe da Senhora Maria. A Senhora Maria sempre abre a boca de uma forma negativa e maliciosa. Eu ia limpar tudo na segunda-feira, mas a Senhora Maria gosta de deixar os outros mal vistos. Ela fica em casa 11h por dia quando a sua família precisa de ajuda mas eles não lhe pedem ajuda a ela. Hummmmm... porque será????? Amo-te Natália e sempre fiz coisas por amor a ti e não ódio e negatividade. Vou continuar a ajudar-te tal como tu estiveste sempre por mim quando a minha própria mãe Senhora Maria não esteve. Para tudo sempre lá esteve o João, não ela!!!

Senhora Maria: O teu padrastro João diz que és um convencido... Lamento que te incomode que eu seja motorista de autocarro. Tens de falar atrás das saias da Carla..

Carla (ou filho): Senhora Maria, Por favor pare com o drama. Não gosto disso na minha página.

Senhora Maria: Desculpa, eu não fui à tua página, o teu namorado abusivo veio à minha falar atrás da tua saia. Quem o emprega devia submetê-lo a um exame de despistagem de drogas talvez ele deixe de ser tão malvado. Ah sim, ele usou a urina de outro.


E pronto. Apeteceu-me partilhar aqui...
As redes sociais são espantosas. E assim, uma «briga» familiar longíqua com pessoas que não conheço nem imagino mais gordas ou mais magras, chega-me ao conhecimento. Devo dizer que, vendo tantos programas sobre crimes nos EUA, preocupou-me a forma como levam tão a sério o que me pareceu, inicialmente, um desabafo sem maldade. Mas o filho achou que era um post malvado e «despejou» mais coisas... Vai a resposta, adiciona outras.



Para quem vê quase todos os dias crime-docs (documentários sobre crimes) americanos, sabe que já aconteceram tragédias por muito menos. E como lá eles andam todos armados até os dentes, num destes momentos em que estão «mais a quente» podem não pensar duas vezes e descarregar uma arma em cima de alguém. Vai que por uma coisa patética destas, isso podia acontecer?

O que acham?
Tirando o facto das pessoas hoje em dia usarem o facebook para publicar todo o tipo de pensamento e momento... Quem acham que «abusou» nas palavras?



domingo, 25 de setembro de 2016

Brangelina Curtis Hillary Trump


Podia ser o nome de alguém, ehehe, mas não é. Encontrei este programa na net e achei piada colocar aqui este excerto. Uma espécie de talkshow apresentado por Whoopi Goldberg, que convidou Jamie Lee Curtis para apresentar o seu novo livro infantil e falar um pouco dos temas do dia: O pedido de divórcio de Angelina e as eleições americanas.


Basicamente Jamie aproveita que voltam a mencionar os seus famosos pais (Tony Curtis e Janet Leigh) para falar daquilo que sabe em primeira mão: como é a vida das crianças de pais de hollywood que se separam.  Assim, de uma só tacada, aborda o casal «Brangelina» sem sequer os mencionar. 

Diz ela que, como filha de pais famosos que se detestavam, que não podiam pôr as vistas um no outro, basicamente, as coisas em casa já são suficientemente dolorosas. Então pediu às pessoas para não comprarem as revistas que inventam e que alimentam esses conflitos. Aproveita o seu livro infantil para dizer que todos naquele país são imigrantes. E, sem falar em política, acaba, de uma forma simples, através da sua avó, por dar a entender para onde vai o seu voto e porquê. Não falou nem em Hilary, nem em Trump, nem em Angelina, nem em Brad Pitt. Mas disse tudo :)) Só falando dela mesma. 

E não é assim que nós aprendemos a perceber as coisas? Pela experiência?

sábado, 24 de setembro de 2016

E Lisboa já está com corredor verde


Tirado do site da Câmara de LX:



Meh. Esperava mais. Mas creio que ao vivo é melhor. Estas imagens não transmitem grandeza e a área é grande. Há umas semanas ainda não estava assim: Claro que gosto. Verde é verde, não tem preço. Uma cidade com verde é outra coisa!

Mas ao ver estas imagens fiquei simultaneamente triste. Porquê? Porque lembrei-me das obras que Lisboa sofreu no passado. Todas no sentido oposto a este. E fico a perguntar-me «para quê»? Para quê tirar os separadores verdes, abater árvores, se agora vão ter de plantar de novo?


Quando Lisboa se preparava para a Expo98 foram tantas as árvores abatidas. Em algumas avenidas os separadores como este desapareceram. Para dar lugar a uma fileira de blocos de cimento. Diziam, numa certa artéria, que o movimento seria tanto, que o alargamento da via para 3 faixas de rodagem de cada lado era indispensável. Então destruíram o separador ao meio, igual a este da imagem. Não satisfeitos porque isso só lhes dava uma via e precisavam de outra, foram abatero passeio para os lados. Centenas (que eu as contei) de árvores foram junto. O trânsito ficou mais próximo das habitações, certos hábitos de convívio que as pessoas adoptavam na beira da estrada desapareceram por o terreno verde ter ficado bem mais diminuto, e para quê? O traço NUNCA precisou das vias extras e agora só serve para caça à multa. Muita avenida, muito espaço... poucos carros. Alguns radares. 

Agora vão ter de plantar tudo de novo...  Embora não vá ficar assim. Devia ser bonito circular na Avenida da Liberdade quando estava com este design!



E é a vida...
São as cidades a evoluir, a mudar de necessidades, a acompanhar as novas gerações...


Posso ser atendida por um médico legista?


Estou a ver um programa sobre autópsias, num canal que se dedica a crimes e mistérios. Surpreendeu-me como sinto que fico esclarecida e consciente da minha saúde, ao assistir a este programa. Mais que com outros que assisti sobre medicina. Digo-vos: aprende-se muito com dados de autópsias. 

O médico Legista tem uma «vantagem» excepcional: o seu diagnóstico é quase sempre correto. Nada lhe escapa. Claro que para isso tem de dissecar, lol. Mas é caso para me fazer indagar: Posso consultar um médico-legista?? Indico os sintomas e provavelmente eles acertam antes que eu vire «cliente» deles. 


É que os médicos convencionais nem sempre acertam e têm de fazer tantas tentativas para conseguir indicar alguma coisa... O legista tem tanta experiência que poderá saber apontar logo para as prováveis causas e saber como prevenir que sejamos os próximos deitados naquela cama de aço. 

Noutra ocasião, naqueles programas sobre milagres de vida, vi outro caso de uma médica legista que foi de férias para a sua cidade natal e cruzou-se com um amigo da juventude, que mal reconheceu. Não só por se terem passados anos, mas por o achar mal encarado. Ela simplesmente o abordou e disse que estava preocupada com a cor da pele e que achava que ele sofria de determinada doença. Então não é que o indivíduo estava à beira das portas da morte, sofria de uma doença não diagnosticada que lhe teria sido fatal em questão de dias??

Se calhar andamos a tratar-nos com os «especialistas» errados, Kkkkk. 

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Falam, falam, falam, mas é das Rebecas que eles gostam mais!



Já disse isto antes. Se não aqui, num outro blogue que por um tempo mantive em paralelo a este.

OS HOMENS MERECEM REBECCAS

Procuram Rebeccas. Preferem Rebeccas. Qual simplória de bom coração e disposta a amar... Ah,ah,ah! Essas nem o nome próprio se lhes conhecem. São as «esposas de...» ou «aquela ali que «tomou o lugar da Rebecca». 

E cada vez me convenço mais que é exatamente o que o homem merece.
Com os anos tenho vindo a entender que Rebeccas são precisas neste mundo. Elas têm uma razão de ser. Têm um propósito. São o fruto inteligente de uma sociedade que reprime e rótula. Virei uma senhora Danvers.


(active as legendas e usufrua de um bom filme, com boas atuações ao estilo da época)

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Estão a fazer-me olhinhos...


Estas ferramentas do LIDL.


Mas trabalham todas com ar comprimido e não tenho compressor. Não tem problema! Eles vendem um. Por 120€, com capacidade de 24 litros. O problema é que aí já é um bocadinho puxado... E pelo que li, mesmo puxado para os 24L de capacidade. Mas dava-me jeito para me dedicar à bricolage. Tenho aqui um móvel a gritar: "Lixa-me! Lixa-me!".

E não queria ter de fazê-lo à mão...

Uma pessoa vive a adiar sonhos. Mesmo os pequenos, como este. Sim, porque ferramentas mais «potentes» dão ataque de riso e choro quando comparados aos valores neste panfleto... 

E depois, este tipo de ferramentas e promoções "voam" da prateleira da cadeia de supermercados assim que as lojas abrem as portas. Tem esse inconveniente de lá chegar, e já não haver. Mas o inconveniente maior é sempre o mesmo, né? Nem vale a pena mencionar. 

Agora que gostava de ter uma oficina, gostava. É um sonho, poder ter um cantinho com umas tantas ferramentas e dedicar-me um pouco à minha veia transformadora. Transformar calhaus em peças de arte, ou reciclar coisas do lixo. 

Quem entende melhor que eu, o que pensa desta promoção?
A próxima deste género só para o ano...
Comprariam alguma? 


sábado, 17 de setembro de 2016

Entender LISBOA


O encanto de Lisboa é que tem tanto de cosmopolita 
como de provinciana
É rara a cidade que consegue, como esta consegue, 
ser este dois-em-um



quinta-feira, 15 de setembro de 2016

A vida tem tantas nuances


Quando penso que a natureza já me revelou tudo o que tinha para revelar em determinada área, esta ainda me surpreende com esta raridade. Que me deixou trémula e em horror, sem fôlego, comprimiu o coração, o estômago, a mente... e fez-me desconfiar ser mentira. Mas a natureza não mente. Refeito o choque, lá foi restaurada a fé na vida em si. É que a condição pode ser controlada!! É simultaneamente espantoso e terrível. E se fosse consigo? 


quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Também já fui a coisa mais sexy do mundo! E daí?


« Meu Deus, Glória! Devoraste o Cabeça de Abóbora?
Ela disse que põe maquilhagem e a peruca grisalha?!?!?!  A pu** já parece velha!
Ela parece o Dani Devito com peruca loura.
Jabba!
Mulheres brancas não envelhecem bem. Ela realmente relaxou-se! Não esperava isto nem num milhão de anos! Ela era tão boa!! »

Comentários que podem ser encontrados em vídeos no youtube sobre Sally Strudders. Sally protagonizou a jovem Glória na sitcom que referi aqui, na década de 70. Estava então a meio dos seus 20 anos e ainda não tinha sido mãe. E tal como Brigitte Bardot, Katelyn Turner, Goldie Hawn, Michelle Pfeiffer ou Meg Ryan, todas excelentes atrizes, o tempo passou e nenhuma manteve a aparência física de uma menina de 20 anos. E porquê??

Porque a vida não é suposta ser assim!!

Dos 20 aos 60 vão décadas...

Acho importante chamar a atenção para a frivolidade com que se fazem comentários destes. A normalidade com que os aceitamos não é boa para a sociedade, se a queremos respeitosa e sem preconceitos. A facilidade com que hoje em dia se acolhe estas violências verbais, neste e noutros meios de divulgação, é perniciosa. A pressão a que as mulheres, em particular, estão permanentemente sujeitas para que se mantenham jovens e sexys, boas de cama, disponíveis para tudo, não é digna de uma sociedade que se diz respeitadora e liberal. Não envelhecer e não perder os belos traços da juventude, é impossível. Tanto para mulher, quanto para homem!! Que se recue no tempo e se passe a aceitar cada etapa da vida, apreciando-a. Que se olhe para o rosto de uma mulher com rugas e se veja beleza. Que se procure a alma. E não um pedaço de carne. 

Esta sociedade sempre tão machista, tão centrada no supérfluo carnal... não tem moral para criticar outras que ainda aprisionam as suas mulheres em tradições que ditam opressão. Pois não se desviou tanto assim de fazer o mesmo.


Entre alguns comentários ignorantes, quase todos da parte de homens, surgem alguns sensatos, quase todos da parte de mulheres. Como este:

« Não entendo os palavrões e os maus comentários. Ela deu-nos anos de risadas, contribui para a sociedade doando o seu tempo a crianças necessitadas. Não entendo a maldade. Não gostar dela é uma coisa, ser malévolo é outra. »


Se continuarmos assim, malévolos e superficiais, passo a entender e a defender a ideia apresentada em tantos filmes futuristas de que a humanidade não deve viver para além dos seus 30 anos. Que tal? Agrada esta ideia? A todos aqueles que acham que uma mulher é um pedaço de carne que deve envelhecer mantendo um corpo escultural de 20 anos? Ou ser uma bomba sexual sempre cheia de desejo? É que nem quando algumas fazem isso, deixam de ser severamente atacadas verbalmente com insultos. Por parecerem tudo e mais alguma coisa devido à libido «precoce» ou às plásticas... É então um conceito impossível, que está perdido à partida, mas continua a ser exigido. Tanto «levas» na cara por envelhecer, quanto por evitá-lo. Ó «críticos»: E se fossem mas é aprender a alimentar o cérebro??


Sim, porque isso faz falta para que entendam que estão a dar um tiro no próprio pé. Frivolidade gera e cobra frivolidade. E se exigem às mulheres de hoje coisas como depilação total, corpo escultural, magro e musculado, etc e tal, porque um homem gosta é "de coisa boa", claro que geram mulheres que fazem um alto investimento nelas mesmas e não o vão entregar a um homem barrigudo, baixo, careca ou pobre...

Se tudo ficar definido no supérfluo, então perpetuam-se certos erros. E o que já não falta por aí é mulher a cuidar de si na esperança de encontrar qualquer homem com uma carteira recheada e vontade de gastar dinheiro com ela. E se não apanharem uma destas, apanham das outras: que também querem um homem todo depilado, musculado, magro, fiel, inteligente, respeitador e bem humorado. Vão ser picuinhas com o tamanho da barba, com o tamanho de tudo... Gerações de homens e mulheres a tentar atingir o impossível e a valorizar o que pode até ser bom, mas por motivos errados. E por isso todos ficamos cada vez mais sós, cada vez, os homens pelo menos, mais íntimos de bonecas.... insufláveis ou de silicone.


Pronto. É isto. A sociedade está a evoluir para o ridículo e como tudo o que é ridículo, se a juventude é a única coisa que se quer valorizar, então que ninguém viva para além dos 30. Eutanásia para todos e que sobreviva o melhor. Lol.


terça-feira, 13 de setembro de 2016

Quando se pensa que se faz um elogio... e not!


«Há mulheres magras e atraentes mas são burras».
«Há gordinhas que são inteligentes e dedicadas».

Magras aceitam-se burras. Mas gordas só se forem muito inteligentes. Lol.
Deixem as mulheres e os homens simplesmente ser, siiiiim??



Chove!


O fim do Verão acabou de ser baptizado.
Na capital alfacinha, pelo menos. 
Está a chover. 

O baptismo para um Outono que só devia aparecer a 22 de Setembro....

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Dão chuva para amanhã


Chuva para amanhã. - foi a previsão meteorológica.
Dá para acreditar???

Dá. Pelo frescor que sinto passar pela janela de persiana e cortina fechada, pelo cheiro, acredito até que já está a chover!

Lembram-se de nunca mais ver o fim da chuva no início do verão? Pois o final dele também não vai ser muito diferente :))


Outra vez não, obrigado.


Voltaram a pedir-me que ceda o número de telefone para utilizar um serviço online. Desta vez foi o Youtube. Na minha ingenuidade lá pensei que talvez, somente talvez, pudesse lá colocar uns vídeos. Já que vejo tantos, porque não contribuir? Mas aquilo é uma disfarçada ditadura. Deixou-me pensar que ia poder fazê-lo. Fez o upload até o fim. Deixou-se escrever e descrever o conteúdo, escolher a licença, o público, os comentários, etc, etc, preenchi todos aqueles formalismos. No final de uma espera alongada, surge uma mensagem a dizer que o vídeo (de 40m) é extenso e é preciso facultar um número de telefone para avançar. Depois, armado em falso democrata, o serviço dá duas opções: mensagem por telefone ou código por... telefone. Ou seja: sem telefone, nada feito! Não usas os serviços.

Porreiro... Já é a segunda vez quase consecutiva que estou a tentar usar serviços online que já usei no passado e me deparo com este muro intransponível. Sim, intransponível. Podem chamar-me de antiquada, chamarem o que quiserem mas número de telefone é uma coisa demasiado pessoal. Não entra assim na circuito da internet de graça. Podem tentar convencer-me do que quiserem, avisando que os dados são protegidos e que é apenas uma «medida de segurança». Lol. É mais é uma forma de sacar cada vez mais intimidade dos utilizadores. Como se registar cada movimento que estes fazem, cada site visitado, cada palavra inserida, etc, não lhes bastasse. Querem também o nº de telefone. Pois tenho outras formas de contacto - o email. Que não chia, não toca, não dá sinal luminoso e não me chateia até eu me conectar com ele. É assim que prefiro. Nesta democracia liberal em que vivemos isso não é possível? Tudo bem. Deixo de usar os serviços.


Sim, podem crer. Levo o meu nº de telefone muito a sério