quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Temos de ser específicos... não é???!!!!


Tive uma epifânia.
Todas as pessoas desejam umas às outras «um bom ano».
Mas não especificam que ANO é esse.

Ora, como pode o gajo lá de cima saber? E vai que, por causa disso, são todos uma porcaria!
Por falta de capacidade em se ser específico.

Por esse motivo, eu cá passei a especificar a que ano me refiro. Pelos blogues que visitei, especifiquei! Não fosse o tipo lá de cima (ou lá de baixo, não conheço realmente o paradeiro dele) achar que qualquer um serve, mesmo um como o 2215, daqui a 200 anos!

Por isso cá fica, a 5 minutos da meia-noite, BOM ANO de 2015!
Mais especificamente: bom na saúde, bom nas economias, bom na sorte, bom no amor, bom no emprego, bom nas oportunidades, e cheio de felicidade.

Sei que estão todos neste instante agarrados às minhas dactilografadas palavras mas agora vão lá pegar nas passas, segurar na taça de champanhe e, que nem histéricos, acolher o 2015!!!



terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Mãe de uma adolescente

Não sou mãe. Mas já senti "aquela" vontade de o ser. Foi há 16 anos.

Fico por vezes a imaginar como seria a minha vida hoje, se tivesse tido uma filha há 16 anos. Tenho praticamente certeza absoluta que seria incomparavelmente melhor! Mas não é sobre isso que quero agora falar. Não é nada sobre mim, mas sobre a minha ideia de como um adolescente de 16 ou 22 anos devia ter sido preparado ao chegar a esta idade.

Ultimamente convivo com frequência com raparigas na casa dos vinte e poucos anos e surpreende-me o tipo de conversas que gostam de manter, a maioria algo fúteis, ainda infantis. Quando alguma conversa se torna "mais séria", indubitavelmente vai «desaguar» aos pais: pois é quem os sustenta e toda a sua experiência de vida, inclusive a doméstica, ainda se limita a esse universo. Demonstram também em frequentes ocasiões aquela impaciência juvenil (querem tudo para ontem), alguma imaturidade, insegurança, arrogância, infantilidade e "ignorância"- no sentido de que sou capaz de perceber o quanto desconhecem da percentagem de obstáculos e contrariedades que a vida lhes reserva, as dificuldades e decepções que os sonhos altos que mantêm ocultam como nuvens. Mas não adianta falar, porque só o tempo lhes pode ensinar todas e quaisquer preciosas lições.


Também já tive 20 e poucos anos. Sei que também era imatura. Não tive tantos luxos, viagens, automóveis, tecnologia de ponta- tive luxos diferentes. Mas a sociedade evolui tão rápido, as crianças desenvolvem-se à velocidade do progresso tecnológico e, contudo, ficam mais atrasadas noutros aspectos, que são também importantes.

Se tiverem de gerir dinheiro, fazem-no, mas o facilitismo com que arranjam dinheiro que não trabalharam para obter e que, em caso de o desejar, podem obter mais rapidamente e sem grandes sacrifícios, as faz ter uma noção que as coisas se obtém com essa facilidade. Até uma coisa que é tão rara nos dias de hoje, mais ainda nos últimos anos: um emprego de sonho.

Portanto não sabem realmente o que custa trabalhar até conseguir «pagar uma viagem a Londres» do próprio bolso. Pode-lhes parecer algo pequeno, por estarem habituados a viajar com os pais para várias partes do mundo, mas irão descobrir mais adiante que esse desejo não está ao alcance de todos que o acalentam. Porque existem prioridades, coisas tão simples como as contas e o supermercado. Se eles, sozinhos, serão capazes de atingir aquele nível de conforto monetário é uma incógnita. Mas pode-se dizer que as coisas não estão e nunca estarão fáceis.

E é aqui que a «porca» torce o rabo. Sou a favor de uma educação mais "à antiga". Gosto quando uma criança é educada desde cedo a ajudar em casa. E a trabalhar. Quase que isso não existe mais. E quando existe, vem com uma «compensação monetária» ou de outra espécie. No que respeita a ajudar nas tarefas da casa, considero que isso faz parte da rotina familiar, não é algo que deva ser recompensado com dinheiro como se de um favor se tratasse. Um filho não é um empregado, que limpa o que é dos outros e depois vai embora, devidamente remunerado. E é nestes pequenos «detalhes» que acho que os pais de hoje em dia por vezes falham.

Adolescentes com automóveis também não é algo muito difícil de ver por aí. Há uns anos começou a ser mais comum ver jovens, que ainda não ganham o seu sustento, ainda estudam e dependem totalmente dos pais, já a conduzir as próprias viaturas. Em alguns casos, automóveis zero quilómetros, ou quase. Talvez seja muito facilitismo.

Nem tudo tem de ser negativo para o jovem educado com tais regalias. Existe uma parte do jovem "futuro adulto" que beneficia deste "acesso" precoce a recursos típicos da vida adulta e independente.
Estar em contato com  determinadas características do universo adulto vão mentalizar e preparar o jovem para essa realidade futura. Mas o que me parece problemático é que é o lado quase "final" desse lado adulto que os jovens de hoje estão a experimentar. Aquele em que as coisas já são possuídas antes de serem conquistadas.

Pôr os jovens a trabalhar não é tão importante quanto os deixar estudar e os sustentar a um nível muito, mas muito dispendioso. Pagar o aluguer de uma casa, pagar as prestações de um carro, pagar a gasolina e portagens desse carro, pagar as propinas dos cursos, as roupas, os telemóveis, as viagens. Ter um automóvel e saber gerir a gasolina e ter consciência da responsabilidade é, sem dúvida, uma etapa de enriquecimento pessoal. Mas saber dar realmente valor, o adolescente que não trabalha para se sustentar, não sabe. Conduzem os automóveis sem grande preocupação com a "preservação". Dão cabo das caixas de mudanças, abusam do acelerador e travão, fazem manobras arriscadas que por vezes danificam o veículo. E o fazem com preocupação mas também alguma leveza, simplesmente porque NÃO SABEM o quanto de trabalho é necessário sair do «couro» para se obter um automóvel. Quando o descobrirem vão dizer: "Ah, os meus pais! Como conseguiram?".

Com isto quero chegar a um só ponto: se tivesse sido mãe naquela altura teria agora um adolescente com 16 anos. Ia gostar de o preparar "melhor" para a vida. E a vida é trabalho. Se ele se sentisse compelido a isso, ia gostar de o ver a trabalhar, a ganhar o seu sustento. Com essa idade eu já tinha essa vontade, pelo que se assim fosse também para ele, não vejo mal algum. Continuaria a fazer o que fosse possível mas ia querer que fosse ele a conquistar as suas principais metas, quase sozinho ou financeiramente sozinho, tendo-me a mim para o apoiar e orientar, para ser fiadora, para emprestar, pagar os estudos, o que fosse, mas de resto ia querer ensinar-lhe a entender que é benéfico para si também contribuir com algum, que foi uma lição que os meus avós foram forçados a aprender na tenra idade: trabalhar é a própria vida. Ia gostar que o meu filho/a fosse como um potro ao nascer: logo cedo aprende sozinho como se manter de pé.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Presentes de Natal - vou desbobinar tudo


Tenho uma família pequena, estendida à dos cônjuges são umas 20 e poucas pessoas, e todos os Natais costumo presentear todos. Este ainda não foi a excepção. Ofereci 16 presentes, um para cada pessoa que estava debaixo do teto de convívio natalício, fossem casais ou crianças. Recebi seis presentes. Um por cada "parelha". Por exemplo: uma família de três recebeu três presentes de mim, mas ofereceu apenas um. Também tenho quem todos os anos leve, mas nunca deixe. O que me faz pensar muito sobre as convenções. Como são rapazes e solteiros -ou melhor, vivem como se casados mas não foram à igreja nem ao civil dizer o «sim» (ao contrário dos outros), ainda se julgam abrangidos pela "lei" natalícia das crianças que, não sendo independentes nem tendo fonte de rendimentos, recebem mas não se espera que ofereçam presentes, a não ser por intermédio dos dois pais. Não sei que «convenção» dita que jovens adultos a viver na casa dos pais não têm de oferecer presentes de Natal mas devem receber, nem sei que convenção dita que jovens adultos a viver fora da casa dos pais porém não formalmente casados, de estado civil «solteiros» não têm de oferecer presentes a ninguém, mas se espera que recebam. Não sei quem «inventou» estas convenções mas sempre fui uma excepção à regra e agora começa a incomodar-me que mais ninguém o seja. Após todos estes anos, já são cerca de 20, começo a interpretar tudo isto como oportunismo. A meu ver não passa de sovinice.

Não tenho muito dinheiro, nunca tive um salário muito elevado e infelizmente já estive desempregada  muito tempo, sem receber tostão algum da Segurança Social porque trabalhei a recibos verdes. Desde a adolescência que adquiri o hábito de pegar numa qualquer quantia que tenha economizado e compro presentes a pensar em todos. Ou então faço alguns, também levando em consideração ada pessoa. Costumo gastar entre 120€ a 180€ na altura do Natal. Não me perguntem no quê - tento ser poupada porque é de minha natureza, mas quando vou a somar o que já foi gasto, surpreendo-me quase sempre. Este ano tentei economizar, como penso que toda a gente fez, e na sua maioria, ofereci doces caseiros. Um gasto mínimo em materiais e a oferta de algo que serve de alimento - que vai passar a ser a categoria que vou querer privilegiar. Ainda assim os gastos se mantiveram na referida escala monetária.

Agora vou falar do que recebi. Dos meus pais, como sempre, recebi com generosidade. Dos seus muitos defeitos, serem sovinas na altura do Natal não é certamente um deles. Aliás, se tiver de apontar alguma crítica é que deviam pensar melhor antes de se porem a comprar indiscriminadamente. O quanto gastam por Natal pode variar entre os 500€ e os 1500€! Este ano talvez tenham arrebentado o «escalão» e isso preocupa-me, pois só eu sei que têm dívidas ao banco - de valores mínimos divididos por muitos e muitos anos, mas a vida não está a facilitar nada a ninguém e eles não estão a alterar os hábitos de consumo de acordo com a nova realidade.

Depois recebi artigos comprados na loja dos chineses, que vinham com o cheiro típico e tudo. Artigos tão baratos e banais que nem tinham etiqueta. Mas o pior, para mim que não costumava olhar «os dentes» dos cavalos, foi um livro. Eu adoro livros. Gosto de ler. E não me incomoda nada que me ofereçam livros em segunda mão, desde que bem conservados. Já ofereci uns, sem saber porque pareciam todos novos como se de stock se tratasse, adquiridos nessas feiras-do-livro ao ar livre. Mas na altura do Natal? Um livro usado seria o de menos, se não estivesse a ser passado como novo! Todo cheio de marcas de uso e manuseamento, com os cantos moles e um vinco numa das partes. Mas o pior mesmo, aquilo que não apreciei, é que nem sequer se deram ao trabalho de me oferecer uma história. Um romance, um policial, algo do género. Ofereceram-me "reflexões". Um conjunto de «ses» que não me interessam por aí além. E nem sequer consegui identificar a editora, acho que é uma edição personalizada editada por uma entidade. Fiquei desapontada com a comprovada sovinice. Está certo que se «recicle» presentes, mas que o façam com coisas de jeito. Com o que comprariam para vocês mesmos. Uma vela, um sabonete, um bibelou... novos ou com aspeto disso. Se vos dessem como presente de Natal uma vela usada com o pavio cortado rente mas semi-ardido, não iam gostar, pois não? Então um livro sem história e com marcas de uso é a mesma coisa.

Já o ano passado esta mesma pessoa me surpreendeu ao me oferecer algo simples e sem serventia que obviamente não comprou ou se comprou não lhe custou muito. Sempre fui mais próxima desta pessoa que de outras e sei que é naturalmente sovina. Mas costumava também ser dada às «aparências», o que a fazia gostar de dar presentes de valor ou qualidade. Principalmente depois de casada, em que pode contar com parte do dinheiro do marido para determinados gastos. E por vezes fazia disso uma «competição» silenciosa entre ela e os irmãos. Porém, acho que deixou de sentir necessidade de aparentar ser generosa e abraçou de vez a sua sovinice. Creio até que seria ainda mais sovina, não fosse ainda estar casada, embora segundo ela a coisa ande quase para romper faz anos.

Eu sou poupada e gosto de reaproveitar e ser criativa muito antes disso virar moda ambiental mas ela é sovina mesmo, só pensa em não gastar dinheiro e é daquelas que passa anos a dar «toques» no telemóvel alheio mas não completa a chamada. E ainda por cima tem saldo, depositado pelo marido, mas não o quer usar. Eventualmente só o faz em caso de extrema necessidade.

Por tudo isto: os que não trazem presentes, os que trazem artigos baratos e os sovinas, este ano senti uma vontade tremenda de não dar nada a ninguém, a não ser a minha presença. E mesmo essa tive uma genuina vontade de poder partilhar com outras pessoas, que necessitassem. Andei à procura de voluntariado para o dia de Natal, ia gostar de me juntar a outros e ajudar a distribuir uma refeição, por exemplo, aos que estão mais sozinhos e precisam. Simplesmente achava que ia ser mais natal para mim se assim o passasse. Acabou que não foi mau. Numa casa onde se tem uma criança, o Natal anima sempre um pouco. Mas esta parte dos presentes... é melhor não olhar os «dentes do cavalo», porque nem todos te oferecem um que não os tenha podres.













sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Faz 10 anos eu sei... MAS.......


Sinto repulsa pela EXPLORAÇÃO que os media informativos fazem da tragédia provocada pelo tsunami de 2004. Sinto repulsa porque em 2005 pensei que, naturalmente, os media iam voltar a recordar uma tragédia tão recente, tão colada com o Natal. Mas não. Se fizeram algo foi uma menção. A importância que deram ao facto foi tão diminuta que pareceu-me de pouco valor.


Depois surgiu um filme-catástrofe, bem hollywoodano. E ontem, dia de Natal, a TVI exibe "O Impossível", um pouco antes das 18h, um novo filme sobre o mesmo. E tudo isto me repulsa. Estes filmes que, mesmo na tragédia, "acabam bem", porque se focam numa família que sobrevive. No final deixam escrito as estatísticas, os tais "230.000 mortos". LOL e lol. Péssimo timming, TVI.



Preferia que se focassem na fantástica recuperação que também foi anunciada (porque assim interessava os países mais afectados, cuja economia lucra imenso com os lucros do turismo). No ano seguinte já se tinha erguido quase tudo, como se nada, nenhuma água, tivesse passado pelo local. 

Preferia que se focassem no que foi feito para tornar possível avisar atempadamente as pessoas da presença de um tsunami. E que contassem que existiram falsos alarmes desde então e o que isso significou para a economia ou para a sociedade. Enfim, gostava que não usassem as mortes para as audiências nem para afagar o ego de alguns jornalistas que queriam tanto aparecer, mais do que noticiar. 


E porque me apetece mandar a hipocrisia ás urtigas!

A respeito disto, que desencadeou uma onda de indignação entre os leitores de notícias online.

Vamos lá ver o outro lado da moeda. 
Neste caso foi em França mas em Inglaterra já haviam adoptado medidas diferentes com o mesmo objectivo. Esta localidade a sul de frança, contudo, optou por uma medida que dá bastante nas vistas e não deixa margem para dúvidas: decidiram vedar os bancos públicos, que são confortavelmente lisos e com assento em madeira, com gradeamento, para impedir os sem abrigo de os ocupar durante a noite.  Segundo o responsável pela segurança local, a medida foi tomada devido a isto: «quase todos (os bancos) são usados exclusivamente por pessoas que ingerem álcool diariamente» «a decisão foi tomada depois de os comerciantes locais terem alegado que esse tipo de comportamentos afastava os clientes». Nas redes sociais não tardaram a condenar o gesto.

Mas vamos olhar para o outro lado da moeda, siiiimmmm??
É muito seguro condenar e julgar e ainda mais seguro manifestar, por escrito, palavras de indignação perante a indiferença para com os sem abrigo. Pessoas que já não têm onde morar, como podem privá-los de escolherem um qualquer canto para dormir?

Bom, se não o fizessemos seria um caus. Vamos lá colocar de lado a hipocrisia natalícia e vou já perguntar: qual de vós ia gostar de ter um sem abrigo todas as noites a dormir à entrada do vosso prédio? Com toda essa compreensão e empatia, o levariam para vossa casa? Dariam-lhe comida à entrada? Estariam de bem com a ideia de ter um ser humano ali, todas as noites, a dormir quando vocês vão a passar, a criar a sua "casa", impondo a sua presença, impondo uma interacção?

Só estou a querer ser realista e também chamar a atenção para outros lados desta história de todos nós. Até o mais bondoso do ser humano pode sentir algum incómodo perante algo do género. Não digo para afastarem estas pessoas à mangueirada - infelizmente já não somos bárbaros, somos (e daí o infelizmente) demasiado politicamente corretos e algo coquinhas. Podemos dirigir uma "mangueirada" a alguém de quem não gostamos, que vai a passar e está a jeito de ser humilhada com o jacto de água, mas se usar-mos o mesmo impulso para um sem abrigo, as reacções públicas são diferentes. O gesto é o mesmo. O sentimento com que foi feito, também.

Não sou o tipo de pessoa que vira sempre a cara a um pedinte. Posso conversar com a pessoa se a situação se propuser. Já dividi um assento de paragem com um sem abrigo - não me afastei com "nojo" nem devido ao cheiro. Por mim têm tanto direito de lá estar quanto outra pessoa qualquer e o meu direito de me afastar é também tão natural quanto me afastaria de outra pessoa qualquer, caso me sinta incomodada pelo cheiro ou ruído produzido. Música aos berros, fedor a álcool, fumo de tabaco ou falta de higiene, a presença de qualquer um destes factores (esqueci o dioxido de carbono concentrado, vindo dos automóveis) são razões que me levam a distanciar-me de uma paragem de autocarro. Há uns anos quando pela manhã, percebia-se que as paragens tinham servido de abrigos para alguém durante a noite. Mesmo os bancos sendo curvilíneos, curtos e de metal, alguém os usava como dormitório. Isso me perturbava mais do que ver. O imaginar era pior. E as paragens, na realidade, deixavam de ser frequentemente usadas por quem aguarda uma viatura. Porque o cheio nauseabundo é mesmo isso: nauseabundo. E a imundice no chão, os restos de comida, uma ou outra garrafa de álcool e o cheiro a urina são elementos que repelem as pessoas. Quem gostaria de se sentar à espera de um autocarro num local destes? As paragens já não são grande coisa por si só - desde que a publicidade se tornou a prioridade ao invés das pessoas. Se chover toma-se "banho", se estiver muito sol, é uma sauna que queima ao toque, tapam a visão da chegada do veículo... enfim, já de si são más. E já do seu uso normal, por vezes, o factor higiene deixa a desejar. Adicione-se isto, o stress do dia a dia e não se pode realmente esperar que as pessoas andem sempre sorridentes e afáveis, né?

Espigões anti-sem abrigo. Reino Unido

Por isso não se seja de hipocrisias e não neguemos que o conforto, a nossa comodidade é algo que faz parte da vida em sociedade. Saibam isto e saibam mais sobre o ser sem-abrigo. Há quem o seja por escolha. Poucos, mas há. E há quem se recuse a recorrer aos centros de acolhimento de sem-abrigos - porque os há. E havendo-os e podendo usufruir deles, porque haveriam de estar nos bancos públicos? A sociedade não é assim tão mesquinha que deixa as pessoas ao relento. As atira para lá, com indiferença. Muitas almas caridosas andam noites e noites a distribuir uma palavra de afeto, junto com uma refeição quente, uns cuidados médicos e uns agasalhos a estas pessoas menos afortunadas. Desde que o mundo é mundo que existe a caridade. Ser caridoso não é razão de vergonha nem de orgulho e receber caridade também não. Compreendo quem não queira ter uns tantos sem abrigo à sua porta - neste caso, numa rua comercial. Tudo é uma bola de neve. Este simples facto pode levar um negócio à falência e colocar o antes proprietário de algo na rua, como sem abrigo... Vivemos em sociedade e esta é muito exigente para o cidadão mediano. Quem não vive nos extremos, na pobreza ou riqueza, tem de ser um cidadão exemplar e cumpridor, é exigido, aos medianos, mais do que aos extraordinários. Se os muito ricos conseguem montar mansões de quilómetros, com vedações elétricas altíssimas e sistemas de segurança de alta tecnologia, também estão a praticar exclusão. A diferença entre as grades de um banco público e as de uma vedação de uma mansão não são muito diferentes. A sociedade permite que se coloquem grades para separar os ricos dos restantes. Permite que se coloquem grades a proteger jardins que se querem só para olhar (felizmente não é muito o caso português). O quotidiano está repleto de actos de exclusão, de «pequenos recados» que informam o indivíduo se ele é ou não desejado em certos locais. Querer afastar pessoas sem nada, com falta de muita coisa, por serem prejudiciais ao negócio também é algo social. A diferença é que muitos se preocupam com aqueles que são carenciados, muitos tentam, com paciência e sabendo que o tempo é o factor principal, retirar das ruas estas pessoas carenciadas e estudam, querendo cobrir todos as possíveis falhas e fragilidades, a possibilidade de lhes restaurar um teto, de forma a não existir um retrocesso. Mas há tetos que são infernais, e as pessoas optam por ficar sem eles... Também há tetos que são confortáveis, mas dos quais certas pessoas precisam se afastar independentemente disso. E existem aqueles que não valorizaram o que tinham e fizeram da vida de todos um inferno, debaixo do seu teto... que acabou por se desmoronar. Há de tudo. E tem de se compreender.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Jabardices porque me APETECE!


Isto de ser mulher tem muito que se lhe diga, ainda mais quando se vai a uma casa de banho pública.
Uma confidência: desde cedo - se não mesmo desde SEMPRE, o acto de urinar em privadas públicas é algo que faço de pé. Mas urinar de pé para uma mulher não é o mesmo que urinar de pé para um homem e não é só por causa do quão prático é o «equipamento». Um homem simplesmente desaperta a braguilha. A mulher tem de descer as calças... e expor-se. Não pode deixar as mesmas caírem até ao chão - o chão de um WC é a coisa mais badalhoca que existe, imunda, cheia de bactérias e urinas infindáveis misturadas com porcaria de solas de centenas de sapatos.


Uma mulher tem de ser capaz, portanto, de conseguir equilibrar as calças descidas até os joelhos, esticando ao máximo a roupa entre os mesmos sem relaxar na posição e devido ao volume de tecido dobrado e concentrado, é também preciso segurar com as mãos. Tem ainda que puxar para cima a bainha das calças, para que ao descer a parte de cima até aos joelhos, a de baixo não vá rastejar no chão imundo. Ao mesmo tempo que tem os joelhos na posição "estica", segura as calças e reza para que a bainha das pernas não desanque, tem de se posicionar para acertar bem dentro da retrete sem nunca tocar na berma da tábua ou do vaso sanitário nem ao de leve, nem com a roupa, nem com a carne. Ao "aliviar-se", tem de controlar o fluxo para não existirem "salpicos" que, na pior das hipóteses, pode atingir a própria roupa, o que é uma catástrofe por si só. Esta posição tem de ser encontrada entre um equilíbrio de coisas em simultâneo: são as calças que não podem tocar no chão, é a roupa descaída, em destaque a íntima, que não pode tocar na parte externa da sanita, são as mãos que estão a segurar as calças e já têm de estar preparadas com um bom pedaço de papel higiénico pronto a ser usado. Entre tudo isto existe um outro factor altamente desconcertante que dificulta toda a complexa operação. O cabelo. Se a mulher tiver o cabelo comprido e solto, ao posicionar-se para urinar o mais certo - aliás, inevitável, é que tenha a vista obstruída por uma massa de cabelo que insiste em lhe tapar as vistas, tudo para atrapalhar que se atinja o alvo com uma precisão digna de colocar inveja num profissional de arco-e-flecha, como o mítico William Tell.

Mas tem ainda uma outra "merda" mais chata... e totalmente "badalhoca" - que de badalhoca não tem nada mas que sendo um tema ainda um pouco TABU o faz "badalhoca". É que uma mulher quando depilada lá em baixo tem maior dificuldade em controlar a porcaria do jato dourado. E pronto! Jabardice partilhada!! :D


FELIZ NATAL

domingo, 21 de dezembro de 2014

Vizinhos Novos

Tenho novos vizinhos, com três crianças. Em poucas horas já sabia o nome de cada uma delas, por os escutar a chamar uns aos outros entre risadinhas, brigas e brincadeiras. A voz do homem também é raro não se fazer escutar. Quase sempre a tentar disciplinar os miúdos aos gritos. 

Quando saio do trabalho e me imagino a chegar a casa não é nada disto que idealizo. Penso, ingénua, que finalmente me vou afastar do ruído, do barulho, da música alta e de tudo o que já "encheu" o meu dia, acabando por atormentar as últimas horas. Penso que vou ter silêncio, só mesmo interrompido se o desejar. Mas essa "casa" que idealizo nunca a tive realmente. O estranho é que, se um dia a vier a ter, já não será na juventude mas no meio da velhice. Julgo que por essa altura ou precisamente nessa altura, é que ia apreciar um pouco mais de vida e dinâmica à minha volta. E não a vou ter.

A vida está toda lixada!

domingo, 14 de dezembro de 2014

Este mundo condena-se ao viver em função da JUVENTUDE



Tenho 30 e muitos anos. Pode não parecer, aos mais novos, mas a realidade é que, com esta idade, já se sentem muitas diferenças comportamentais da sociedade para contigo.

Pequenas e ténues coisas, outras nem tanto.

Numa passagem por um centro comercial, notei nas imagens publicitárias das lojas de roupa. Reparei nos manequins nas montras. O objectivo é VENDER ROUPA. Mas a imagem que projectam é toda direccionada à juventude. O rosto do rapaz no fato da loja é muito jovem. Os rostos femininos também. Os manequins, sem rosto. Para não terem idade. Mas com silhuetas e formas finas e elegantes, tão próprias da juventude e tão difíceis de manter, às vezes, ainda na casa dos 20 e muitos anos. Os funcionários destas lojas são na sua maioria todos jovens. Muito jovens, rapazes e raparigas em idade escolar. Toda a sociedade consumista está virada para a juventude. O que é péssimo. 


Lembram-se de quando contei aqui sobre o episódio do "Bom dia" no MacDonalds?


Pois percepções de trato diferente conforme a aparência têm-se multiplicado.

Fui a um balcão de maquilhagem de uma loja num centro comercial, daquelas que têm um funcionário a maquilhar alguém que, por coincidência, quase sempre é muito jovem. Aproximei-me da funcionária e a jovem, que maquilhava outra muito jovem, disse-me que ali não faziam maquilhagem. Fiquei intrigada. Os despojos estavam à vista: três pincéis sujos com base e pós pousados na bancada, um deles tinha acabado de ser esfregado no rosto da rapariga muito jovem e exageradamente maquilhada. O batom da cor vermelha forte que explodia nos lábios da rapariga também estava ali e as sobrancelhas recortadas e pintadas, junto com os olhos bem maquilhados contrariavam a informação dada. Podia estar a abrir a excepção para uma amiga, certamente. Mas algo na forma como a informação foi transmitida me pareceu intrigante. 


Na universidade distribuíam aos estudantes que por ali passavam um novo produto a ser lançado no mercado. Não pude deixar de reparar que se dirigiam aos muito jovens e que, pessoas mais velhas como eu, não eram abordadas. Parei para observar e aí fui contemplada com uma "amostra" do produto. Mas não me facultaram o saquinho que continha outras ofertas e que estavam a distribuir às jovens ao meu lado. Estive quase para perguntar o que continha o saco e se tinha direito a um, mas como não calhei passar ali para "sacar" algo grátis, não dei importância e segui em frente. Uma vez na sala de aula começo a ver colegas a entrar, todas sorridentes, com aqueles sacos na mão. Garantiram que lhes deram os sacos sem problemas e estavam felizes porque cada saco continha várias guloseimas como pastilhas, rebuçados, bombons, chupas e gomas. Nisto uma outra colega responde que, não sabe porquê, a ela não lhe deram nada. Estava no grupo, passou pelo local, mas não lhe deram nada e achou isso estranho. Essa colega não é tão jovem quanto as outras, tem trinta e muitos anos

Perante isto, o que é que uma pessoa pode pensar?
Se é assim na casa dos 30, é assustador imaginar como será aos 40 ou mesmo os 50.

Existe descriminação de idade SIM, esta sociedade consumista está a condenar as pessoas. Fá-lo todos os dias, subtilmente, através da publicidade, através das acções de promoção, através da sua obsessão pelo "target" jovem. Fica-se a sentir que se é menos importante, menos útil e menos válido depois da juventude ficar para trás. Estamos todos a dar um tiro no pé e a condenar os nossos filhos a só serem apreciados enquanto jovens e belos. Por quanto tempo é que se permanece tão jovem? Por um sopro de vida! E que valor se dá aos restantes muitos e longos anos? 




quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Não gosto desta "solidariedade"

Procuro um evento solidário que me satisfaça. Quero doar o meu tempo a alguém - é esse o tipo de solidariedade que pretendo facultar. Navegando "por aí" em busca de tal agulha num palheiro, deparo-me com diversas campanhas de solidariedade. No facebook da ABRAÇO - cujo site achei insultuosamente vazio de informação, deparei-me com esta do vinho:


Fez-me pensar - por uns minutos. Mesmo sem perceber se o valor de compra faz referência a um pack ou a uma garrafa individual, com ou sem portes de envio, concluí não fazer muito sentido dar 15€ por algo cujo valor solidário é de apenas 3.50€. Está certo: recebe-se uma garrafa de vinho (é preciso pagar os produtores, os embaladores, etc), daí o valor solidário cerca de 1/4 do valor total. Mas sempre me parece fazer mais sentido doar a quantia total ddirectamenteao destinatário. Se o objectivo é doar, para quê produtos intermediários? Pretextos como casinhas anti-stress ou bonequinhos? Neste caso trata-se de vinho mas para mim é de pouca utilidade prática, pois praticamente só conheço abstémios.


Depois desta "passei" pelos Peluches IKEA. Cada venda representa a doação de 1€ para a solidariedade.  Para quê pagar 10 euros por um boneco se apenas 1€ é solidário? Mas o que se está realmente a apoiar? O combate à violência e pobreza infantil ou o incentivo às vendas de Peluches da marca?

Estes "dilemas" são constantes. Tudo parece-me algo contraproducente. Embora admire e entenda, até certo ponto, o quanto este género de coisa pode facilitar a obtenção de receitas caridosas, já que as pessoas gostam de comprar, parece-me também que muitos se aproveitam para tirar proveito próprio, não só para vendas como para operações de marketing e publicidade. E acho isso pouco ético ou bonito. Além de que não me parece sensato o "consumo" de tanto produto «beneficente». Se o objectivo for apenas de consciência social, de ajuda ao próximo, porque não "dispensar" os subterfúgios? Claro que, a menos que já se vá comprar aquele peluche, ou se precise mesmo de vinho, não vejo porque não optar por um destes. Mas o chato é que não são uns peluches quaisquer que as crianças querem, nem os que apreciam vinho gostam de uma marca fora das suas preferências. E assim não me parece eficaz um «desvio» aos gostos pessoais com fim caridosos.



sábado, 6 de dezembro de 2014

To who it may concerned...

Caros bloguistas,
nunca pensei escrever um post destes, mas vou escrever. Quero agradecer os comentários que recebi perguntando pelo meu estado de espírito. É verdade que os meus últimos posts têm uma nota qualquer de tristeza. E é verdade que andei profundamente pelas catacumbas da desolação. Mas como em tudo, consegui emergir. 

Meu olhar está agora iluminado 
De lá para cá não actualizei este blogue, primeiro porque não tenho tido assim novos assuntos para cá colocar. Depois porque me tenho mantido ocupada com um novo projecto - o regresso à universidade - que me tem proporcionado algumas novas alegrias. 


Se pudesse contar tudo, contava, tenho a certeza que alguns iam ficar com muita vontade de experimentar o mesmo que estou a experimentar. Se tiverem tempo e 5000€ para gastar, daqui a uns meses posso vos contar e dizer se vale a pena enveredar por esta "aventura".


Por enquanto a experiência tem sido mais positiva que negativa. Excelentes pessoas, pessoas bem educadas, cultas e com muito assunto - tudo o que estava a precisar! Nem daria para perceber que faz apenas uma semana que por mim podia ter acabado no mundo... Presentemente não é mais assim, voltei a ser "eu", a que não desiste. Seja qual for esta ilusão a que todos nos agarramos para nos tentarmos convencer de que a nossa passagem por esta vida faz sentido, estou novamente nesse barco. Iuppy! 

Ah, e se não nos "vermos" até lá, desejo a todos uma boa quadra Natalícia.



sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Quatro OLHARES


Hoje ninguém deve ter reparado no meu olhar, 
mas eu reparei em três.

O do rapaz sentado a comer na mesa da esplanada que ao me ver passar olha e desvia logo o olhar.
O da celebridade que ao me ver olhar para tentar situar de onde conheço aquele rosto, com desprezo desvia o olhar e dá aos pés.
O da jovem rapariga sentada a comer na esplanada que olha-me naturalmente e de imediato desvia o olhar e o pescoço também, com mais do que desprezo: repugnância pela minha cor de pele.

Hoje andei muito sensível. E captei alguns olhares. Será que alguém captou o meu?


quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Com banda Sonora


Imagem retirada da net

domingo, 23 de novembro de 2014

KOmente - mudança de sexo*1




A Lei de Identidade de Género entrou em vigor em Março de 2011 e até Março de 2012 mudaram de sexo e de nome 78 pessoas. in: sol

ADENDA: Construindo SAMUEL  

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Passwords, códigos de acesso e senhas



PASSWORDS mais PASSWORDS!

São tantas, para tudo e para nada...
E tenho-as todas na cabeça.

O dia em que isto "avariar" o mundo desaba!
Ando aqui a procurar me recordar da mais recente, de um email aberto faz semanas... sei quase qual é, mas já esqueci. Ai as Passwords! São tantas e tantas! Já contaram quantas têm de introduzir a cada dia, para cada coisa? Eu não contei mas não me surpreenderia se, por dia, se fossemos a consultar tudo o que podemos consultar, seriam 100 CEM passwords!

Duvidam? Então pensem comigo: Portal das Finanças (1), Portal do banco (2), Portal do site de shopping (3), Facebook (4), Bloguer (5), email (6), site que aloja imagens (7), site que aloja sons (8), registro para usar/consultar uns tantos sites (9), site para alojar outros conteúdos (10), código multibanco (11), Twitter (12), Instangram (13), Tumbrl (14)... não pensaram MESMO que ia listar UMA CENTENA deles, pois não?

Mas também não listei apenas 14, mas talvez uns 50 já estejam aqui mencionados. Quem é que tem apenas uma conta de email? Num só servidor? Devem ter entre duas a cinco. Eu tenho mais. Quem tem apenas um blogue numa só plataforma? Bom, eu tenho duas mas sou praticamente fidedigna ao google - embora queira agora investir mais no «nacional» croac! Perdi a conta à quantidade de vezes que precisei me registar com um email num site qualquer, só para conseguir fazer o download de uma aplicação ou mesmo para poder usufruir de uma. Contas de Banco... quem é que põe os seus ovos TODOS no mesmo cesto? Enfim. Contas feitas, é muita coisa para ficar na cabecinha só. E é onde tudo anda...

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Faleceu a Alba



Simpatizava com esta mulher embora sentisse dificuldade em olhar para o rosto dela. Simpatizava simplesmente por continuar a fazer o que tinha vontade sem dar importância ao que a sociedade ia dizer. Não quis saber da idade para nada e quando quis casar com quem se apaixonou, um homem um pouco mais jovem, casou. Não quis saber de convenções ou da idade, nem quando quis ir à praia de biquini. Julgo que para quem fazia topless na juventude, um simples biquini não parece nada ousado. De facto, não é. A única peculiaridade é ser usado por uma septuagenária. A meu ver só temos todos a agradecer-lhe por essa visão. A beleza da terceira idade. Uma realidade inadiável que a sociedade contemporânea varre para debaixo do tapete e ignora. E faz mal. Por isto simpatizava com esta mulher que faleceu hoje, aos 88 anos (decerto partiu sem grandes arrependimentos). Falo, claro, da duqueza de Alba. 








A imprensa foca-se demasiado na quantidade de vezes que se casou (três), dando-lhe um toque de "leviandade", de mulher predadora. Oportunamente esquecem de apontar a duração desses casamentos. O primeiro durou quase 30 anos, o segundo também. Ambos os esposos faleceram de doenças graves. Não matou nenhum, não se divorciou, aguentou. O tempo que Deus quis. Mas ao invés de ficar a eterna viúva, foi casando. Sendo que o último casamento ocorreu em 2011. Que mal tem isso?

terça-feira, 18 de novembro de 2014

É de graça!


Sabem aquele momento em que se dirigem à prateleira do hipermercado com interesse em levar um produto mas o preço do mesmo não se encontra em lado algum? Para mim, se não tem preço, é de graça. É oferta para o cliente levar para casa sem pagar. Concordam?



Fui às compras num supermercado, pretendendo trazer produtos específicos. Pois dos cerca de 10 artigos que pretendia levar, NENHUM tinha etiqueta de preço! Nenhum. Nem um. Sabem o quanto isso pode ser frustrante??

OK, podem dizer-me para ser compreensiva (e sou), estamos na altura do Natal (pelo menos as lojas estão) e andam a fazer reposição dos produtos. Eu levo tudo isso em consideração. Mas andei a ver diversos produtos de higiene, e estes não tinham preço. Acabei por desistir e fui para a secção de chocolates. Interessei-me por uma caixa de bombons e não vi o preço em lado algum. Perguntei a uma funcionária.
-"Ali em cima" - diz-me ela, continuando a passar e apontando para um papel "bailante" no ar, com o preço de três produtos. NENHUM era o preço da embalagem que eu queria!


Além destas falhas, existe uma arrogância em determinadas superfícies que me começa a afectar. A arrogância de fazer o cliente procurar pelos preços. Não só este tem de procurar, em lugares por vezes «nada a ver» com a posição dos produtos, como ainda tem de ser capaz de DECIFRAR as designações. As embalagens, com o nome em inglês, a identificação com o nome em Português, tudo tão semelhante, como no caso destes bombons que eram todos "Belgas" e tinha-se de «adivinhar» quais os belgas a que o preço faz referência.


-"Ainda bem que sei ler!" - pensei, quando após indicação da funcionária e a passagem de uma idosa em dificuldades com os produtos e alguns de seus nomes estranhos. Foi então que me pus a fazer aquele jogo que as crianças fazem na escola primária, que é traçar com uma linha e ligar os objectos, por exemplo, a imagem do cão à casota, o pauzinho ao xilofone, o novelo de lã ao gato, o osso ao cão mas isso aplicado aos produtos e seus preços! Porque é a este exercício ridículo que muitas superfícies forçam o cliente a fazer em relação aos produtos e o seu preço. É um jogo. Que faz o género "onde está o Willy?", mas com preços!

Como se estes inconvenientes já não bastassem, algumas superfícies começam a dificultar o alcance a determinados produtos. Em particular os de higiene. Os que pretendia ver estavam trancados, à chave, numa montra envidraçada, cujo reflexo de luzes em alguns casos não permitia sequer ler o nome ou tipo de produto. Se era creme para as mãos ou spray capilar! Como é suposto o cliente agir para aceder a eles? Provavelmente terá de chamar uma funcionária... E depois esta perde tempo a ir buscar a chave e a voltar, fica ali ao lado do cliente, impaciente, com a chave na mão, aguardando que este se despache. E o cliente a sentir-se pressionado a tirar depressa o que pretende, sem poder perder tempo a tirar dúvidas ou escolher. Provavelmente teria de levar um qualquer produto, mesmo que mudasse de ideias, só para não passar pelo constrangimento de ter de devolver o produto à sua PRISÃO envidraçada ou abordar novamente a funcionária.


 Saí dali sem adquirir nada. E sem vontade de voltar. Já lá tinha estado 72h antes e uns determinados bombons não tinham preço. No dia seguinte, também não tinham. Hoje mudaram de lugar e já estavam etiquetados. Ainda bem! Mas a este ritmo, não dá. A lei estipula que qualquer superfície que afixe um preço de um produto por um valor, tem de deixar o cliente levá-lo por esse valor. Se se enganam, paciência. Se custa mais e cobram menos, o cliente tem de levar pelo preço que FOI INFORMADO custar. Não pelo que teria de «adivinhar». Neste caso de artigos SEM PREÇO a lei não dirá que o artigo é gratuito?
Assim é que era bom, as superfícies comerciais aprendiam logo logo a tratar a clientela com o respeito que esta merece. Ah, já não se fazem os Mrs. Selfridges de antigamente....


Por tudo isto acredito que as compras online vão ser o futuro. Não são chatices-free mas ao menos a têm a vantagem de não ter de passar por todo este stress in loco. O futuro vai ser ficar em casa relaxadamente a aguardar que as compras cheguem à porta...



sábado, 15 de novembro de 2014

Famosas e Odiadas


Existem duas mulheres figuras públicas cá em Portugal que não são muito amadas pelo grande público. São elas Bárbara Guimarães e Fernanda Serrano

Tiro esta conclusão porque de todas as pessoas com quem já tive conversas sobre as mesmas, a primeira coisa que me dizem é: "Não gosto dessa gaja!"

Todos nós temos as nossas afinidades, mas não acho justo ser tão taxativo assim quanto a uma pessoa que não se conhece e se estar a falar DA pessoa, e não do seu trabalho. Percebo porque uns dizem não simpatizar - tem a ver com um estilo, uma postura que cada qual tem e que pode ser interpretada para o lado da arrogância, vulgaridade, falsidade ou distanciamento. Mas eu gosto de pensar que vejo para além disso.

Acho ambas boas profissionais. E por isso não gosto de as ver «atacadas» com base em «impressões». A Bárbara Guimarães tem um estilo de apresentar que não é muito adequado às preferências "Cristinas Ferreiras" de hoje, de humor brejeiro porém genuíno, mas noto nela uma entrega e um estudo total ao trabalho. Já a vi a apresentar um programa sabendo o que fazer com a câmara, as situações, o timming e os sentimentos dos participantes. E fazer isto sem ninguém o perceber é um dom porém, infelizmente, pode passar demasiado despercebido e não ser valorizado. 


A Fernanda Serrano é uma actriz que cada vez está melhor. É uma delícia vê-la a encarnar uma personagem e a saber dar-lhe presença. Adorei vê-la no cinema no forte papel em "Os Gatos não têm Vertigens". E a Fernanda tem ainda uma história pessoal na qual não me foquei nem prestei muita atenção, por não gostar especialmente de dramas explorados pela imprensa cor-de-rosa: com apenas trinta e poucos anos foi-lhe diagnosticado cancro mamário. Decerto que a existir soberba ou arrogância, esta doença, que geralmente é reincidente, põe tudo em perspectiva. 


E depois sou uma calorosa defensora de que qualquer pessoa, incluindo os famosos e as figuras públicas são o que acabei de dizer: pessoas. Passam pelas mesmos medos, as mesmas dúvidas, a mesma ansiedade, os mesmos dramas de qualquer outra pessoa. A fama não é uma injecção que cura os males quotidianos, ok?

Eu, como mulher, não me considero feminista. Mas acho que no geral, as mulheres deviam ser mais generosas entre o género. Não concordo com a conotação que a palavra "feminista" recebeu (dos homens) e que a maioria das mulheres perpetuam por estes anos fora, sem terem noção de que espalham a conotação negativa que lhe quiseram empregar, quando na realidade o «feminismo» não passa de uma ofensa masculina à simples vontade e coragem que algumas mulheres, no passado, tiveram para simplesmente terem direitos iguais na sociedade: o direito ao VOTO, o direito de salários idênticos para funções iguais (ainda se anda nessa "luta"), o direito a férias, coisas realmente básicas - AGORA, mas que no passado precisaram de "feministas" para hoje existirem.
Ser feminista é isto, querer oportunidades de igualdade intelectual e social, reconhecimento e não é querer ser IGUAL ao homem. Isso nunca poderá acontecer (nem é desejável pelo sexo feminino). Essa é uma ideia machista inventada por uns homens machistas, ignorantes, inseguros e com muito medo. Ser feminista não é deixar de ser mulher para virar homem (pensamento do século 18!) nem deixar de ser cortejada ou que parem de abrir as portas dos automóveis, ou se deixe de ajudar a mudar a roda furada de um carro, como alguns homens apregoam. 


Sejam sincera/os e me digam, o que pensam destas duas figuras?


PS: Juro que só depois de terminar este texto é que entendi o que mais as duas têm em comum.



sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Legionella no meu chafariz

Hoje ia para passar as mãos por água num chafariz mas ao chegar perto, a bacia estava inundada. E enquanto olhava aquela água estagnada pensei: "Legionnela".

LOL. Claro, não acho que a água estivesse realmente contaminada. O meu pensamento lógico mo dizia mas o lado selvagem, instintivo, sobrepôs-se. Provavelmente aquela água nem era apenas da fonte, mas da chuva. Um misto. E um chafariz de água estagnada é quase o mesmo que uma fonte de água viciada. O meu cérebro não quis pensar mais e optou por seguir caminho e lavar as mãos quando chegasse ao destino :D


quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Só sabem gritar por alá


Sobre este vídeo «viral», tenho a dizer uma coisa:
Porque raio teve de ser um miúdo a ter os "tomates" de ir remover uma menina da linha de tiro??

Vê-se um homem a fugir para um lado. Não fez nenhuma tentativa de se aproximar do carro. Estão outros tantos a segurar uma câmera, sem mais nada fazer a não ser gritar por Alá. E é o puto que age!


Noutros tempos teria raciocinado de forma simplista: teria visto um homem a fugir, de medo, e um rapaz corajoso a resgatar a irmã. Só isso. Não teria reparado na covardia dos adultos, do medo ser maior à coragem. Não teria reparado na passividade. Mas longe de mim julgar. Não o faço porque não vivo num contexto de guerra. Seria indecente de minha parte condenar seja quem for por não agir de acordo com a propaganda cinematográfica e cheia de balas que não acertam ninguém. A vida real não é um filme. E se calhar, os adultos sabiam que, a agir, uma bala era-lhes certinha e talvez incentivem as crianças a actos arriscados como este, na esperança de existir piedade pela suas inocências. Mas também é sabido que esta já foi uma técnica amplamente utilizada em guerras, recorrer a crianças-bomba, usadas para eliminar o inimigo contando com a compaixão universal pelos inocentes. Por tudo isto não julgo, mas já sou capaz de ter outras interpretações de um acontecimento. 

Inclusive de achar que tudo isto é FAKE. Porque outra forma mais recente e, contudo, também antiga de fazer guerra é CONTAR HISTÓRIAS recorrendo aos media. Como se estivessem a fazer filmes, com direito a takes e tudo. Desde que soube disto aqui que NADA mais me surpreende e nunca mais vou «engolir» o que os meus olhos vêm como a realidade. Em guerra, a meu ver, todos os lados estão errados e quem por vezes é apontado como o "mau" do momento, pode ser na realidade a vítima. Porque a guerra é, no fundo, algo que é travado num palco maior: o do julgamento planetário. 

Este vídeo que falei acima, de um tiroteio do ano 2000 en Gaza, o caso Al Dura, mostra um pai Palestiniano a proteger a vida do filho de uma chuva de balas, acabando ambos por ser baleados. O filho morre, o pai leva oito balas e sobrevive. Nenhuma mancha de sangue. O pai sobrevive sem aparentar quaisquer mazelas nestes anos todos de aparições televisivas e mediáticas. Foram imagens amplamente divulgadas que indignaram muitas pessoas a uma escala mundial. Israel nunca foi tão odiada. Acontece que com toda a probabilidade esse vídeo é um desses grandes FAKES. O jornalista Francês que supostamente captou as imagens nem estava no local, recebeu, isso sim, o vídeo de um palestiniano. Tinha sido tudo orquestrado, provavelmente o miúdo não faleceu nem filho do homem era. Começou-se a suspeitar da história quando os factos não batiam certo. Veja o vídeo no link acima ou neste aqui.  Contudo este vídeo fez mais pela Palestina, que passou a ser vista como uma grande vítima, que uma chuva de balas, pois a indignação mundial foi gigante. Como Israel era cruel e odiada! 

Entre muita coisa num cenário de guerra existe muito falso realismo. E mesmo este vídeo de hoje pode ter sido uma fabricação. 


Neve artística

Gostava que por cá nevasse assim...

Adicionar legenda

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

A caixa de Outono

Aqui há muitos, muitos anos, apeteceu-me fazer decoração recorrendo a materiais orgânicos, como folhas de árvore, bolotas, ramos, vagens etc. Recolhi pelos caminhos tudo o que achei bonito e que sabia - simplesmente sabia, que ia usar. Aos poucos a quantidade aumentou e tive a ideia de colocar estes tesouros numa caixa hermética. 



Envernizei algumas folhas secas, outras deixei ao natural, usei os materiais orgânicos que pretendia e sobrou um pouco. Ao invés de deitar fora, continuei a achar belo e útil os elementos que tinha recolhido. Por isso acabei por fechar a caixa e guardar. Pouco acrescentei ao conteúdo mas não me desfiz do mesmo.  Anos mais tarde este género de decoração se tornaria mais popular ao ponto deste tipo de materiais serem amplamente comercializados, geralmente artificialmente pintados, transformados ou aromatizados (o que perde a graça e fica algo vulgar). 

Hoje precisei arranjar espaço para arrumar outras decorações naturais que aprecio bastante: pedras. Pedras de sal, pedras basálticas, pedras vulcânicas, fósseis, pedras decoradas, decorações em pedra, pedras recolhidas do rio de uma cascata, pedras das rochas do topo da Serra da Estrela, pedras da visita de estudo às minas de Castro D'Aire nos anos 80...  Ehehehe. (só me falta uma pedra diamante mas já estou a providenciar esse desfecho). Parece muito (lixo), mas não. E algumas têm sobrevivido ao tempo por pura casualidade. São apontamentos de coisas que me proporcionam bem estar pela sua beleza natural ou unicidade, tal como outro alguém gosta de coleccionar estatuetas, merchadising de cinema, miniaturas de automóveis ou de animais específicos. 

Cheiro a pinheiro, a seiva e resina do pinheiro
Costumava ser o cheiro dos Natais

Enfim, toooooda esta introdução para partilhar com quem me lê que hoje abri essa caixa. De início nada de extraordinário parece acontecer. Mas faz mais de uma hora que a abri e que a fechei e o que recebi em troca é uma sensação única, de um conforto inigualável: o aroma. O PERFUME autêntico e saboroso do OUTONO. É o que estou neste instante a respirar. Se esta estação do ano tem cheiro, para mim é este que está naquela caixa. E dá tanta satisfação e bem estar quanto no tempo em que o Natal era celebrado com árvores verdadeiras - os pinheiros, e o aroma do majestoso pinheiro, das agulhas e de alguma seiva perfumavam o ar da sala e enchia a casa. São o que se denomina como Memórias Olfactivas. Lembram-se desta, do cheiro do pinheiro de Natal? 


segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Querem oferecer o presente de Natal ideal?


Não sabe o que oferecer este Natal e até se inclina para uma caixinha de chocolates? Deixo aqui uma sugestão de uma oferta ideal. Se conhecem alguém nostálgico, como eu, acho que essa pessoa ia adorar, nem que fosse pelo inusitado, receber uma coisa destas! :D 


Caixinha de Furos - chocolates REGINA
encontrei à venda aqui, por 23€+ portes

domingo, 9 de novembro de 2014

O meu branquinho


Já aqui contei da descoberta do meu primeiro cabelo branco?

Se já deixem-me acrescentar que, por uns largos meses suspeitei que me tivesse abandonado. Desprendendo-se e caindo algures, contribuindo assim para «mais um» que abandona este corpo sem dó nem misericórdia. A sua ausência prolongada estabeleceu-se e tristemente, já me conformara com o seu sumiço. 

Heis que um destes dias ao entrar num provador de roupa, que são lugares muito bem iluminados, com luz forte e branca, vejo algo a reluzir como se fosse prata, lá, no cimo do hemisfério direito da cabeça. Vejo o meu branquinho, empinado e feliz, reluzente debaixo daquelas luzes como se fosse uma decoração natalícia. 

Fiquei feliz. Celebrei e fiz-lhe festinhas. 
Prefiro ter um fio de cabelo branco a ficar com menos um.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Já cheira a Natal, mas com ranço


Ando pelas ruas e já me "cheira a Natal".
A Natal DECADENTE.


segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Andam a ler-nos a mente


Lembram-se de um post que fiz apelando a quem me lê que me dessem a vossa opinião sobre se um determinado produto de venda online que encomendei num impulso era SCAM ou não?

A minha decisão na altura acabou por ser não comprar o produto (80€). Não me arrependi. mas surpreendi-me com o sentimento que me atingiu. É com os sentimentos que as pessoas por detrás destas falcatruas contam para levar a sua avante.

Os indivíduos por detrás da venda deste produto decidiram escrever-me dois emails. Não abri nenhum. Bastou-me ler aquelas primeiras linhas de texto para saber exatamente do que se tratava. Surpreendi-me com o facto destas pessoas que praticam SCAM online pensarem que este género de abordagem alguma vez resultaria comigo. Comigo ou com qualquer outra cabecinha pensante. 

Carregar na imagem para visualizar a mensagem


E isto me conduz a um outro post que estou há um tempo para fazer. Quem anda pelo facebook, já reparou que o género de publicidade que surge do lado direito do monitor é idêntico a conteúdos recentemente pesquisados? 

Nestes últimos dias espreitei muita coisa e pesquisei sobre a morte de cães em Yulin, uma província chinesa que se prepara para um festival anual onde a carne para consumo vem de cães. Até aqui «tudo bem», cada cultura come as espécies animais que quiser. Mas a FORMA como confeccionam essa iguaria é para lá de desumana. O animal é atirado, pontapeado, espancado, socado, batido, cozinhado vivo, descarnado vivo, queimado vivo. Isto é cruel. Então pesquisei sobre o assunto e o certo é que depois de o fazer, e de assinar umas petições e de sem querer ir parar a um link de compra de um cartaz contra o massacre, aquela coluna de anúncios do facebook "coincidentemente" passou a mostrar anúncios de teor semelhantes. Ora, são uns leitores da mente! Andam a ler as nossas mentes, a adivinhar os nossos interesses e a colocá-los na página de anúncios. Fantástico isto, não é? Será que também dá para adivinhar os números e estrelas que vão sair amanhã no Euromilhões?



domingo, 2 de novembro de 2014

Cordialidade, respeito e novas tecnologias


Não há dúvida que as Novas Tecnologias vieram a alterar a interacção humana. Se existem vantagens, como esta de estar agora a escrever para muitos incógnitos onde alguns me irão ler e outros responder, estabelecendo um diálogo que de outra forma, não seria possível, também tem o lado menos positivo. Já notaram, decerto, que as pessoas ao comunicarem online se tornaram mais agressivas. Por detrás dos seus computadores, incógnitos, sentem-se à vontade para esquecer os bons modos e a boa educação que numa interacção presencial em princípio teriam mais em consideração. Por vezes me surpreende a forma gratuita, vinda do "nada" com que certas pessoas online «explodem» e começam a insultar outros internautas. Alguém devia ensinar as pessoas que as BOAS MANEIRAS também se devem aplicar ao contacto não pessoal.


Deixei um comentário concordando com a afirmação de um internauta que havia escrito que uma determinada atriz seria excelente para a figura de uma personagem. Só fiz isso, dizendo que, noutro papel, a actriz já havia comprovado ser capaz de interpretar personagens fortes. No dia seguinte surgiu um comentário ao meu comentário. Não era a resposta desse internauta, mas de um outro, que estava FORA da conversa e se dirigiu a MIM. Perguntava o seguinte: 

internauta I: O que quer dizer com "fulana" já mostrou no filme "batatinhas" que tem a força e a capacidade para interpretar "Maria"? Você ou não entendeu o comentário ou NÃO entendeu a história.

euzinha: respondi à questão "não seria fantástico ver "fulana" no papel da bela "Maria"? Quem  poderia interpretar "Maria" nesta história, se "Maria" chegasse a aparecer? Uma pessoa respondeu que "fulana" seria fantástica para o papel. E fiquei a pensar: sem dúvida que sim, "fulana" seria fantástica! Com o seu cabelo negro, o seu sarcasmo, força e poder de sedução, concordo que "fulana" ia dar uma excelente "Maria". 

E depois acrescentei uma observação sobre a personagem principal, a sra. W. (cujo papel foi ambicionado por outras actrizes, inclusive a sra "fulana", que não o conseguiu). E escrevi, sempre em inglês, que tinha visto o teste que "fulana" fez (para a personagem "w") e de facto não tinha nada a ver. A actriz que ficou com o papel é perfeita nele. 

Fui simpática (acho eu), dando resposta a uma americana que não entendeu a simplicidade de um comentário a concordar com outro. Meteu-se na  "conversa" quando o comentário não lhe foi dirigido - o que pode fazer, visto que se está num espaço público. A sua abordagem é que não me pareceu correcta. Mas ignorei a rudeza e retribui com uma gentil e simpática resposta.

Pensei que a conversa tinha tudo para terminar, mas não terminou. De seguida a internauta I, escreveu o seguinte:

internauta I: Você está enganada. Nem "fulana 1" nem "fulana 2" interpretaram "Maria".

euzinha: Ninguém interpretou "Maria". Como disse antes, ela não é uma personagem presencial.

internauta I:  Sim, obrigado. EU SEI isso. Escrevi isso antes. Você não parece ser capaz de entender inglês escrito. E sendo o seu inglês tão mau, não acredito que tenha lido nada. Por favor não responda porque eu não lhe vou responder mais aos seus disparates sem sentido ou sequer vou ler. Agora desaparece.


Bem, eu não sou muuuuito entendida no funcionamento dos comentários e conversas deixadas em algumas plataformas online, percebo que este é um meio onde mal entendidos podem surgir, dado o suporte em si. MAS neste caso acho que tudo isso é indiferente porque, por princípio, as pessoas devem dirigir-se às outras com BOA EDUCAÇÃO. É um princípio universal em sociedades ditas desenvolvidas. E se uma pessoa está atrás de um computador, ligado à rede que liga todo o planeta, disposto a trocar impressões com pessoas de toda a parte, é bom que saiba demonstrar boa educação, porque fica mal desatar a ofender e a criticar as qualidades de outra pessoa, que ainda por cima tem a cordialidade de comunicar numa lingua não-materna - coisa que alguns internautas, principalmente os americanos, nem sempre conseguem retribuir.

Uma vez me disseram que quando é assim deve-se responder: Se não entendes inglês então escrevo-te em português agora quero ver se entendes isto: um manguito para ti! . LOL :)

sábado, 1 de novembro de 2014

Hoje, depois do almoço....


Não me saiu esta da cabeça. E cantava, cantava, fazia remix mas nada de a tirar da cabeça! Só partilhando. Por algum motivo não quis ir embora.



PS: Lembrei, ahahah! Durante a madrugada estive a ver o filme "Virgem aos 40 anos" (gargalhada total) e quem se lembra como o filme termina? Há uma explicação para tudo...

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Dia dos Finados - ainda bem que existe


Deparei-me com o «desabafo» de uma pessoa no facebook, onde escreveu, indignada, que nestes dias os cemitérios estavam "cheios de gente". E isso, por alguma razão a revoltou (queixa-se que não teve onde estacionar o carro à porta) e a faz chamar todas essas pessoas que ainda se deslocam aos cemitérios, de HIPÓCRITAS. "Passam o ano inteiro sem lá por os pés e enchem-nos neste dia" - escreveu, revoltada.

Tive uma vontade imensa de lhe dar uns "esclarecimentos", mas abstive-me. Primeiro porque percebi que ia ser quase inútil, segundo, por não ter qualquer intimidade com a pessoa. Na realidade nem sei de quem se trata - é o que dá o facebook permitir ler os posts comentados por amigos de amigos. 


Mas este é um tema que senti necessidade de abordar


Nos últimos anos parece que passou a ser comum e aceitável que se escute as pessoas a fazerem esta «crítica». E chamarem de hipócritas aqueles que se deslocam aos cemitérios para deixar flores nas campas de entes que lá estão. Posso perguntar qual o mal disso??


Onde está a hipocrisia? Tanto se lembra dos mortos aquele que vai todos os dias ao cemitério, quanto aquele que só lá vai nesta altura do ano ou até mesmo aqueles que NUNCA lá vão. Não é a frequência no cemitério que define os "bons e os maus", os que "gostam muito e os que gostam pouco". Francamente... haja bom senso na percepção das coisas. Não é por aí que se amou mais ou menos o ente que se perdeu. Talvez seja por aí que se VEJA quem tem dificuldade em andar para a frente com a própria vida e fica preso no passado, na dor, na culpa e nos remorsos. Mas não é o que quantifica o afecto sentido pelos finados.

O que aqui se fala, neste dia de Todos-os-Santos, é de TRADIÇÃO. Uma tradição que, infelizmente, está a perder-se e gradualmente está a ser aglutinada por uma outra, importada, de nome Halloween. As pessoas parecem estar a esquecer, de todo, o lado religioso da data e se dedicam com mais facilidade ao lado pagão. 

No meu entendimento é muito prejudicial fazer este tipo de crítica leviana, generalista, acusando todos de ser hipócritas. Primeiro, porque as pessoas têm o direito de ir ao cemitério quando quiserem. E se fizerem questão de ir somente no dia mais significativo, um dia especial no calendário, que mal há nisso? É melhor do que não ir de todo, é melhor do que preferir se mascarar com um chapéu de bruxa e esquecer os finados. Acho bonito que haja um dia, um dia especial, só para despoletar à nossa lembrança as memórias dos momentos tidos com aqueles que já estão do outro lado. 

Ao condenar, de forma leviana, aqueles que pisam um cemitério nesta data estão a contribuir para que, aos poucos, essa tradição se perca. Assim como já se perderam outras, outras que não cheguei a experimentar e que são para mim memórias não minhas mas as dos relatos das memórias já ténues de costumes que outras pessoas costumavam realizar. E não é isto o mais triste? Tenho apenas uma percepção indefinida que me diz que, nesta data, era costume as crianças irem, porta à porta, pedir o pão-por-Deus. E as pessoas ofereciam o que podiam. Porém nada de doces, chocolates e afins mas figos, romãs, passas, pinhões, castanhas, broas. Coisas nutritivas, alimentos sãos (e bem bons). Pessoalmente acho mais bonito e emotivo pedir o Pão-por-Deus. E receber frutos, alimentos sãos, energéticos, naturais, ao invés de coisas processadas que bem podiam ficar no balde do lixo ao invés de fazer todo o percurso pelo intestino e sair pelo traseiro, contribuindo pouco para a saúde e muito para a obesidade. 

Vídeo de 2011 mostrando a continuidade da tradição "Pão por Deus". 
Adaptada às comodidades actuais, oferecem-se chocolates e rebuçados do "Lidl", alguns até em pratos de halloween,  mas ainda existe quem faça aquilo que oferece, um pão de broa, por exemplo. 

Que haja um dia especial em que os cemitérios «se enchem de gente» é algo bonito. Não é algo feio. Se existe alguma «hipocresia» de algumas pessoas, também existe sentimento verdadeiro de outras. Nada de julgar. "Não julgues, não lances a primeira pedra". É aproveitar. Uma pessoa vai ao cemitério quando bem lhe apetece. Normalmente estão quase vazios, o que é excelente para contemplar, reflectir e para se estar, agradavelmente, em paz. A afluência torna-se maior e aquilo parece um «estádio de futebol» num único dia do ano? Deixem. É bonito recordar os que partiram desta forma, levando flores, nem que seja uma vez por ano. Espero que esta tradição não se perca. 

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Meu Deus! Será que comi isto??


Em relação ao post anterior... será que foi isto??


segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Despojos de um almoço Take Away Chinês


Deixo-vos com umas imagens dos despojos do meu almoço de hoje, comida que trouxe de um restaurante chinês. A carne, como sempre, muito branquinha e tenra, mas com gosto indecifrável. Definitivamente não era frango. Nem galinha. Obviamente não é vaca nem boi e também não sabia a porco. É macia demais para ser peru e não tem gosto à ave. O que é então? Alguém sabe?





sexta-feira, 17 de outubro de 2014

A vida devia ter câmaras como o Big Brother


Cada pessoa que já cruzou a nossa vida devia saber como foi que as suas acções foram influenciar a vida que levamos. Existe um filme antigo, com a Meryl Streep, em que ela, falecida, está no purgatório e, numa espécie de tribunal celestial, ali se mostra ao indivíduo parte das suas acções durante a vida e como isso foi influenciar quem os rodeia. Meryl descobre que vai para o céu mas o seu mais recente amigo do purgatório não tem tantas cenas de "flashback" para o ajudarem a conquistar o ambicionado descanso eterno no paraíso. O seu destino parece ser o inferno.


Eu desejaria, muito, muito, que isto fosse possível. 
Mas não é. Consigo «ver» sequencialmente a forma como cada acção de cada pessoa acabou por influenciar a minha vida. No que é que ela contribui ou contribuiu. E não gosto daquilo que «vejo». Gostava que cada uma dessas pessoas pudesse ver-se a elas mesmas, como eu as consigo ver. Gostava também que a nossa vida fosse toda televisionada, como um Big Brother, para que os "Zés Marias" se singrassem vencedores na vida e não somente num programa de televisão. Gostava que os "zés", admirados na televisão, não fossem na vida real enxovalhados, ficando vulneráveis à depressão, graças às atitudes exercidas por algumas das mesmas pessoas capazes de o endeusar se o "Zé" virar uma super-estrela. Mas se for anónimo ou cair em desgraça, vira carne para cão. Devia ser real. Sempre achei isso, desde menina, quando ainda não existia sequer mais que um canal de televisão, quanto mais reality shows. Faltava na minha vida essa câmara de gravar palavras e imagens que ia restabelecer a verdade. Cada pessoa devia rever aquilo que andou a fazer, as atitudes que tomou, o que fez que julga de bom e o que fez de mau. Devia ser verdade que cada palavra pronunciada é gravada e tudo será exibido em imagens. Fosse no trabalho, em casa, no café, na cama... Tudo devia ficar registado porque aí acho que muita gente deixaria de viver na ilusão de um Big Brother para VER. Ver quem é quem, realmente, e não apenas aquilo que pensam que são. 


sábado, 11 de outubro de 2014

Rico Filho - a mensagem no facebook

Minha mãe não me criou para ser rica. Ao contrário de uma ou outra mãe que conheci, não me educou para procurar um rapaz "bem de vida" e só demonstrar interesse por rapazes oriundos de famílias de posses com carteiras recheadas.  MAS... passou a vida toda a dizer coisas como:

«Só tu é que não consegues nada!»  - referindo-se ao "bom partido" que uma colega arranjou
«Só tu é que não consegues nada!» - referindo-se ao "bom" emprego de uma ex conhecida qualquer
«Só tu é que ficas para tia!» - referindo-se ao casamento de alguém
«Olha para ti, andas sempre toda enxovalhada!» - constantes críticas à minha aparência

E quando era menor, era frequente escutar:
«Pensas que o dinheiro cai do céu!» - mesmo quando não falava de nada
«A filha da vizinha fez, só tu é que não fazes nada» - referindo-se a qualquer merdinha que fosse
«Precisas? Vai comprar! Trabalha para teres dinheiro!» - diante da possibilidade de qualquer necessidade, mesmo as básicas e as mínimas escolares
«A vizinha "veio-me" contar que a filha ajudou-a a limpar a casa, limpou o pó ao quarto, à sala... só tu é que não fazes nada!» - rebaixando-me constantemente nas comparações com qualquer pessoa, principalmente quando injustas

E existiria mais para contar. Contudo, tudo isto serve apenas para o que vem a seguir. Minha mãe postou uma imagem com uma mensagem no seu facebook. Ao ver do que se tratava não pude deixar de expressar um som nasal, como que a tomar percepção do quanto nas redes sociais as pessoas partilham um IDEAL, mas têm toda a dificuldade do mundo em colocá-lo em prática. 


Se existiu algo a que posso atribuir grande parte da responsabilidade à educação dada por meus pais, é exatamente esta. Souberam sempre me educar de forma a colocar o IN que antecede a palavra «felicidade».



quinta-feira, 9 de outubro de 2014

AQUI SE GRITA no Tweet!


Acabei de colocar este blogue no twitter. Não entendo muito disto mas conto com a vossa ajuda para praticar. E juntos, iremos nos divertir! Se também têm os vossos blogues no tweet, indiquem o endereço, para sermos seguidores! O meu é este aqui:

https://twitter.com/Portuguesinhas

Acabou de nascer mas acreditem, nasce porque notei existir uma necessidade para os meus curtos "insites". Espero que dê bons frutos! E vocês, o que acham destas redes sociais? São complementares a alguma outra que utilizem?

Primeiro tema: Ébola